Blog do Neivo Zago

Neivo zago.jpg

Viajando em grupo

Por Neivo Zago

Quem já não fez a experiência de excursionar em grupo? Ou a de uma viagem, quer seja para visitar um local, perto ou distante? Acompanhar um grupo tem as suas vantagens e desvantagens, assim como é viajar sozinho, ou a dois. Porém, quer seja uma, ou outra opção o certo é que o fato de sair de casa, respirar outros ares, ou rever lugares já visitados, por si só, já valem a pena.

Há uma semana tivemos o privilégio de participar do grupo da comunidade Bela Vista que visitou os fantásticos arenitos de Vila Velha e a sempre atrativa e encantadora Curitiba. Três dias de duração em uma excursão muito legal que incluiu no roteiro até uma bela missa dominical. E como sói acontecer, sempre almejamos que toda e qualquer viagem ou empreendimento ocorram da melhor forma possível, sem incidentes, e acidentes. Porém, o que todos os excursionistas querem é ir ao destino e voltar dele “sãos e salvos”, o que nem sempre é garantia quando se “pega a estrada”, neste país de muitas rodovias em estado precário.

Quando um determinado grupo se reúne pensando em viajar a primeira dúvida começa em definir o programa da viagem, o que nem sempre é fácil. E, como em qualquer iniciativa dessa natureza é necessário que alguém lidere, tome à frente e se empenhe para conseguir adeptos, contatá-los, cobrar custos, enfim, dar conta de uma série de atribuições, que só sabe quem já fez a experiência. Essas pessoas merecem sempre consideração e reconhecimento como é o caso da Marlete Perin Lando e a da Glacilda Leite organizadoras do passeio. Também, para o bom êxito do empreendimento é preciso contar com outros colaboradores como é uma empresa de transportes que ofereça ônibus confortável e motoristas atenciosos e confiáveis como foram o Sérgio Borges e o Mateus, da Borgetur.

Viajar em grupo é bom porque propicia aos participantes a oportunidade de rever amigos, bem como de atar novas amizades, o que não acontece quando nós viajamos sozinhos. Viajar em grupo é sempre um novo aprendizado. E, mesmo que o roteiro já seja conhecido, pois como bem lembrou a Wanda Groch, a incansável batalhadora do turismo: “não importa visitar o mesmo local, mas é preciso vê-lo com outros olhos”. Isto é, fazer outra leitura, assim como acontece quando lemos o mesmo livro, mais de uma vez, ou assistimos a um filme outras tantas. Cada nova abordagem é sempre uma forma diferente de contatar o mesmo assunto, que nunca se esgota em si mesmo.

É também parte do script de viagens em grupo haver nele pessoas mais extrovertidas; as que têm a habilidade de contar piadas; de agitar e de, enfim, tornar o ambiente alegre e descontraído. Especificamente, nessa excursão a Inete Zicatto protagonizou e, acho, até foi bem coadjuvada, pelo redator deste texto.

E, como sempre se faz quando viajamos necessariamente comparamos o nosso habitat com os locais visitados. Ah, bela Curitiba! Uma referência em destaques, dentre eles a exuberância de árvores com seus 30 parques, um mais lindo que outro. Serve de exemplo para outras capitais como a nossa sempre igual, Porto Alegre a começar pela estação rodoviária, um sinônimo de imundície, de atraso e de desleixo. A de Curitiba, a rodo-ferroviária, nossa! Quanta diferença! O que dizer então se nós comparássemos outros aspectos como: mobilidade urbana e a segurança entre as duas capitais?

Que pena, faltou espaço, para escrever mais detalhes da viagem. Porém, o que importa é que foi uma das belas e gratas experiências que vai ficar marcada nas nossas memórias. E se essa falhar, as fotos não nos farão esquecê-la. Por isso, o meu apreço a todos os participantes.

Em tempo: Graças a Deus que nessa excursão não houve “nenhuma baixa”. E nada de extraordinário aconteceu, a não ser o extravio de um tênis e de uma sombrinha que podem ser retirados pela pessoa esquecida na seção: “perdidos e achados”, com a Marlete. Sou tricampeão, porém nos dos que fizeram passeata, soltaram foguetes ou coisas do gênero. As vitórias e derrotas fazem parte, não apenas do futebol, mas de todos os nossos empreendimentos. Saber administrá-las com bem senso é a melhor medida. 

Leia também

  • O Hazard do Brasil, os belgas e as piadinhas

    Faz uma semana que a nossa seleção se despediu da Copa. Falta de sorte ou de competência? Talvez as duas juntas, ou foi culpa do Hazard, um dos tantos ótimos jogadores da pequena Bélgica? Já faz tempo que camisa, fama e ufanismo não ganham jogo por antecipação e, pior, nunca aprendemos a lição, principalmente alguns patéticos e exagerados profissionais da mídia e os cidadãos alienados, que a despeito da realidade vigente, ainda sublimam o futebol.

  • O ser humano x a tecnologia

    Seria a tecnologia um produto muito mais preciso e confiável do que o seu criador - ser humano -, que tem lá as suas limitações? Até que ponto ela pode interferir, ajudar ou complicar? O uso do VAR veio para elucidar todas as dúvidas no futebol?

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Aquário
21/01 até 19/02
O dia representa envolvimento com a mente e o...

Ver todos os signos

Publicidade