Blog do A Voz da Diocese

Bispo

Profetas para um novo tempo!

Por A Voz da Diocese
Foto Rodrigo Finardi

Estimados Diocesanos! Quando olhamos a vocação de Ezequiel nas Sagradas Escrituras, podemos perceber que ele percorreu um longo caminho de formação para assumir a sua missão profética. A sua formação contemplava uma progressiva interiorização da “Palavra”, levando-o a viver uma relação sempre mais íntima e profunda com ela, que moldou e enriqueceu a história da sua vocação e missão.

A vocação de Ezequiel não nasce unicamente das suas inquietações pessoais, mas também das interrogações que tocavam a vida das pessoas a quem o profeta seria enviado.  Ele é um exemplo de como a Palavra de Deus pode ser anunciada somente tomando a sério as perguntas que habitam o coração dos homens e das mulheres na realidade da vida. Caso contrário, corre-se o risco de levar uma palavra desencarnada e distante, incapaz de tocar a vida. Também nós hoje poderemos perguntar: quais são as interrogações que estão no coração dos homens e das mulheres do nosso país e que gostariam de ter uma resposta da classe política, do poder judiciário, de outros órgãos públicos, das Igrejas, e de outras instituições.  

Na Sagrada Escritura, o profeta é mandado por Deus em uma missão difícil, da qual não deve esperar grandes satisfações. Mas é bom recordar que a missão do profeta não deve ser avaliada pelo sucesso ou pela acolhida da parte do povo, porém pelo simples fato de “ser” ou existir. O valor da sua missão não depende da acolhida imediata de todos à Palavra, mas que não seja ele o primeiro a abandonar a fidelidade à vontade do Senhor que o enviou. É significativo aquilo que o Senhor diz ao profeta: “Tu, porém, filho de homem, escuta o que te digo. Não sejas rebelde como aquela gente rebelde” (Ez 2,8).

O dever do profeta é o de anunciar a Palavra de Deus sem nenhuma condição: “escutem ou não escutem” (Ez 2,5.7), sem deixar-se contagiar pela rebelião ou pela afeição do povo ao qual ele é enviado. O “sucesso” de quem é chamado por Deus é muito diferente daquilo que entendem os homens, porque o profeta está a serviço do sucesso segundo o parecer de Deus. Ao profeta é pedido que “escute com as orelhas e acolha com o coração” (Ez 3,10). Portanto, para Ezequiel, é essencial, antes de tudo, a interiorização da Palavra de Deus. Não pode existir missão profética sem antes “assimilar” a Palavra por parte daquele que é chamado e enviado.

A Palavra de Deus quando é vista como realidade fora de nós, pode dar a impressão de algo que nos limita e nos incomoda. Contudo, quando a acolhemos e assimilamos como sustento da vida de fé dos discípulos e discípulas do Senhor Jesus e da nossa missão de cristãos inseridos na sociedade e na realidade do mundo, ela se torna “doce como o mel” ao nosso paladar.

Tende todos um bom domingo.

 Dom José Gislon

Bispo Diocesano de Erechim

Leia também

  • O Senhor chamou-me...

    Na vida, aprendemos a fazer escolhas, que muitas vezes não são fáceis, porque envolvem o momento presente, mas podem ter consequências no delinear de toda a nossa existência. Na dimensão profissional, elas marcam a nossa vida, a família, o mundo do trabalho, a sociedade, mas também a vida particular de muitas pessoas, que recebem os benefícios da atuação do profissional

  • Do silêncio do deserto, a voz da esperança

    A vida merece ser celebrada nos fatos da história que fazem parte da nossa realidade, mas também nos pequenos acontecimentos do cotidiano da vida, que não são publicados nos meios de comunicação, porém marcam profundamente a nossa existência familiar e pessoal.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Capricórnio
22/12 até 20/01
O dia representa envolvimento num projeto de trabalho com a...

Ver todos os signos

Publicidade