Blog do Gilberto Jasper

Violência.jpg

O pior da violência

Por Gilberto Jasper

Entre tantas consequências devastadoras que a violência nos impõe consta a anestesia geral. As estatísticas são uma escalada crescente no quesito barbarismo, com crimes assustadores. Mas parece que somente eles – os crime realmente absurdos – possuem a capacidade de nos chocar.

As primeiras manchetes dos noticiários da televisão são, sem exceção, informações negativas: violência, acidentes, guerras pelo mundo, devastação da natureza, corrupção desenfreada e caos econômico. Apesar do caráter semelhante dos conteúdos, temos que admitir: pouca coisa ainda nos abala.

A banalização da violência nos transformou em meros assistentes. Uma revolta aqui, outra acolá, mas é incomum o engajamento efetivo de comunidades, de maneira sistemática e permanente, para ao menos protestar contra a espiral de violência que atinge o Brasil e o Rio Grande do Sul.

As consequência trágicas – seja de um grave acidente de trânsito ou de um crime bárbaro -  somente calam profundamente em nosso cotidiano quando nos atingem. O consumo de álcool, por exemplo, socialmente tolerado e até estimulado através de publicidade permissa e maciça, devasta milhões de famílias a cada ano. Mas não se vê uma indignação capaz de levar a solidariedade da maioria que resulte numa mudança de cultura.

A perda de um amigo ou familiar causa revolta, indignação e, muitas vezes, paralisia. A banalização tem esta inominável capacidade de constranger, amedrontar, desanimar, desistir. O caos financeiro que corrói orçamentos de Estados e municípios é campo fértil para a proliferação de atos violentos.

Pequenas comunidade, outrora conhecidas por sua tranquilidade, ostentam números jamais sonhados de crimes. A Brigada Militar, cujo efetivo minguou por décadas, se mostra insuficiente para fazer frente ao crime, mas é instituição fundamental para mitigar os efeitos da violência. Apesar do esforço de seus integrantes faltam quadros, investimento em viaturas, equipamentos, armamentos e inteligência.

Enquanto isso, o desemprego joga mais combustível na espiral da violência. Dia e noite somos sobressaltados, mas não se vislumbram esperanças de mudança. Enquanto isso, somos refém dentro de nossa casa.

Leia também

  • Eleição é participação

    O eleitor cobra ética e respeito às leis de todos

  • O privilégio de ter filhos

    Ter filhos é aprender o tempo todo. Não importa a idade, nossa ou deles. Laura e Henrique, de 24 e 22 anos, são fonte permanente de surpresas. É raro o dia em que não ensinam um truque para simplificar minha rotina ou segredar algum atalho útil.

  • Um futuro pessimista

    O Brasil, assim como outros países da América Latina, tem dificuldades em atrair jovens talentosos para a carreira de professor

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Escorpião
23/10 até 21/11
O dia representa introspecção e afastamento...

Ver todos os signos

Publicidade