Blog do Gleison Wojciekowski

IMG_1990.JPG

Ronildo de Andrade Pontes, o Canhoto do Brasil

Por Gleison Wojciekowski

Um gaiteiro canhoto que mescla elementos da música sertaneja e gaúcha, além de características do heavy metal, formando um estilo próprio de tocar, este é Ronildo de Andrade Pontes, mais conhecido como Canhoto do Brasil.

Nascido no dia 7 de setembro de 1975, na cidade de Arapoti (interior do Paraná, quase na divisa com São Paulo), Ronildo de Andrade Pontes é o primogênito dos três filhos do casal Eduardo e Tereza de Andrade Pontes (seus irmãos Arnaldo e Rosane), tendo como avós paternos Benedito e Tereza, e maternos Luiz e Isaura.

Inicialmente sua influência musical surge a partir de seu pai, um agricultor que nas horas vagas tinha uma dupla sertaneja com um vizinho, onde ambos cantavam e tocavam violão; além de sua mãe que cantava na igreja da localidade.

Em um determinado dia quando Ronildo tinha 11 anos de idade, seu pai negociou uma sanfona de 48 baixos, instrumento com o qual ele tentou aprender de forma autodidata, observando outros músicos, mesmo que amadores. Entre as lidas da lavoura, escondido de seu pai, tentava tocar acordeom, inicialmente de forma destra, porém não se adaptou, conseguindo reproduzir as músicas de ouvia somente com o instrumento invertido (botões na mão direita e teclas na mão esquerda). Apesar de ser canhoto para tocar acordeom, Ronildo escreve com a mão direita e toca violão também com a mão direita.

Como Arapoti era uma cidade pequena, sem acesso a professores de música, Ronildo buscava nas bancas de revista, revistas de música para ajuda-lo a compreender a formação dos acordes e as melodias das músicas.

Na adolescência teve contato com o rock e o heavy metal, através de um amigo baterista da cidade Arapoti, travando contato com a música de bandas como AC/DC, Rush, Led Zeppelin, Deep Purple e principalmente Iron Maiden, que o influenciaria diretamente na concepção de arranjos no Chiquito e Grupo Bordoneio.

Ronildo trabalhou na lavoura até seus 18 anos de idade (quando foi prestar o serviço militar), mas sempre tendo a música como um hobby. Porém quando retorna do exército em 1995, vai terminar o segundo grau na cidade de Curitiba, onde passa a fazer parte do CTG Farroupilha (ligado ao antigo Banco Bamerindus), onde tocava acordeom e cantava para as danças de invernada artística. Nesse período participou de diversos festivais e concursos de gaita e canto, angariando mais de vinte troféus.

Em janeiro de 1996 vem para o Rio Grande do Sul com a invernada do CTG Farroupilha, para participar do Rodeio de Vacaria, onde fica em terceiro lugar gera (executando uma música de sua autoria chamada Fronteira Farroupilha), ficando atrás somente de Luciano Maia (aluno de Frutuoso Araújo) e Jaciano Fogassa (aluno de Oscar dos Reis), dentre 42 concorrentes.

Essa edição do Rodeio de Vacaria, não somente pelo honroso terceiro lugar, mas o fato de ser canhoto chamou a atenção, tornando o “Canhoto” um destaque, o que proporcionou que ele conhecesse diversos de seus ídolos da música gaúcha, como Adelar Bertussi, Luiz Carlos Borges, Edson Dutra, Gildinho e principalmente Chiquito, que lhe convidou para integrar seu conjunto Bordoneio que estava iniciando (apenas um disco gravado).

No dia 2 de março de 1996 (dia do acidente aéreo com Os Mamonas Assassinas) Canhoto chegou para morar em Erechim, e integrar o grupo Chiquito e Bordoneio, onde ficou durante 19 anos, gravando 14 CDs e 3 DVDs (2 com a sua produção musical), recebendo a premiação de 3 discos de ouro e 2 DVD´s de ouro.

Com a sua vinda para Erechim, aproveitou a oportunidade para continuar seus estudos musicais, ingressando na Escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel, onde estudou acordeom com o professor Rodrigo Marcelo Sabbi, e Teoria e Percepção Musical, Harmonia e História da Música com os professores Rodrigo Garcês e Gleison Juliano Wojciekowski, inclusive chegando a concluir os cursos.

Como compositor, Canhoto tem obras gravadas com diversos grupos gaúchos como Os Monarcas, Os Serranos, Os Garotos de Ouro, João Luiz Corrêa, Grupo Candiero, além de mais de 80 gravadas por Chiquito e Grupo Bordoneio, chegando a um total de mais de 150 composições gravadas.

Com relação à música sertaneja, Canhoto produziu um DVD Alam e Alex em Belo Horizonte no ano de 2007, participou também com a dupla Gian e Giovani (através do maestro Pinóchio) durante dois anos, onde percorreu o Brasil, inclusive em alguns programas televisivos como Mias Você de Ana Maria Braga e Domingão Fautão, ambos da Rede Globo de Televisão.

Canhoto é casado com uma gaúcha de Severiano de Almeida chamada Cleonice de Paris, com quem teve uma filha, Nicole de Paris Pontes, que estudou teclado na Escola de Municipal de Belas Osvaldo Engel.

Na sua volta ao Rio Grande do Sul lançou o CD Canhoto do Brasil e Grupo Vanerejo, e posteriormente retornou ao Chiquito e Grupo Bordoneio, onde ficou mais sete anos, até 2017.

Canhoto produziu também o programa O Natal Gaúcho com Os Monarcas, apresentado por Odair Terra (natural de Viadutos) na TV Aparecida, que foi ao ar em dezembro de 2016.

Leia também

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Gêmeos
21/05 até 20/06
O dia representa introspecção com a Lua em...

Ver todos os signos

Publicidade