Euro R$ 3,70 Dólar R$ 3,15

Publicidade

Blog de Dad Squarisi

Dad Squarisi

Dad Squarisi fez curso de letras na UnB. Tem especialização em linguística e mestrado em teoria da literatura. É editora de Opinião do Correio Braziliense e comentarista da TV Brasília.

  • Hoje é 20 de agosto? Ou são 20 de agosto?

    Por Dad Squarisi

    Recado

    "Gosto que me leiam e saibam o que acho das coisas. É uma forma de existir."
    Paulo Francis

    O verbo complacente

    É ou são? Cuidado. Trata-se do verbo ser. Com ele, ligue as antenas. O verbinho é complacente. Ora aceita uma forma, ora outra. Ora as duas. Especial, recebe tratamento diferenciado. Na concordância, a gramática reserva-lhe capítulo à parte. 

    Hoje é 20 de agosto? Ou são 20 de agosto? Cem reais é muito? Ou são muito? É quase duas horas? Ou são quase duas horas? Dúvidas. Muitas dúvidas. 

    Jogo duplo

    O verbo ser tem a cintura mais flexível do português. Nunca toma posição firme. Ora acha o sujeito simpático. Vai pro lado dele. Ora o predicativo o atrai mais. Eterno infiel, passa para o lado de lá. 

    *Tudo é flores ou tudo são flores? 

    O verbo olha para as flores. Acha-as simpáticas, coloridas e cheirosas. Decide: Tudo são flores. Em outras horas, lembra-se do que aprendeu na escola (o verbo concorda com o sujeito). Muda de lado: Tudo é flores. 

    Qual a forma correta? Ambas. Com o ser, quase sempre as duas construções estão certas. Há apenas três casos em que ele é durão, inflexível. 

    Um

    *É uma hora. São três horas. 

    Na indicação de horas, o verbo só tem olhos para o predicativo. Concorda com o número que diz as horas: É meio-dia e meia. Seria uma hora da tarde. Eram umas 11 horas da noite. 

    Cuidado. Às vezes o número é antecedido por expressões que indicam aproximações. Não se confunda. O verbo continua o mesmo: Seriam quase duas horas quando ele chegou. São cerca de seis horas de voo. Eram mais ou menos três horas quando o presidente fez o anúncio. 

    Dois

    *Um é pouco, dois é bom, três é demais. 

    Deu-se conta? As expressões de quantidade, medida, peso, valor, tempo - como é muito, é pouco, é suficiente, é caro, é barato - são invariáveis. Pretensiosas, não ligam para o sujeito. Com elas, só o singular. 

    Veja exemplos: Dois mil reais é muito. Vinte quilos é suficiente. Dois minutos é muito tempo para quem está com dor de dente. Vinte reais é menos do que o produto vale. 

    Três

    *Eu é que digo. Nós é que sabemos.  

    A expressão é que recebe o nome de expletiva. Significa pode cair fora. Mantém-se invariável: As rosas (é que) são belas. Nós (é que) somos patriotas. 

    É isso.

    Leitor pergunta

    Ortografia é calo no pé. Letras diferentes soam iguais. Como Deus é generoso, põe o dicionário às ordens para tirar dúvidas. Mas nem sempre ele está por certo. Outro dia, fiquei confuso com a palavra censo. Com s ou z? Sem o Aurélio por perto, recorro à coluna. 
    Carlos Alberto, Guaíba

    Dizem as más línguas que a língua é um sistema de ciladas. Ao menor descuido, pega a gente pelo pé. Citam muitos exemplos. Entre eles, censo e senso. A pronúncia é a mesma. Mas o significado não tem parentesco nem remoto. Guarde isto:
    Censo, com c, dá nome ao conjunto dos dados estatísticos da população de uma cidade, estado ou país. Daí censo demográfico. 
    Senso, com s, quer dizer entendimento. Daí senso de responsabilidade, senso comum, bom senso, senso moral. 
    Na dúvida, tenha senso. Com s. Faça substituições. Você verá que censo, com c, tem poucas aplicações. 

    Não gosto de usar a gente. Mas, de vez em quando, apelo para a duplinha. Pinta, então, dúvida quanto à concordância. Pode me ajudar?
    Cíntia Bonfim, Bela Vista

    A forma de tratamento a gente, coloquial, equivale a nós. Leva o verbo sempre para a terceira pessoa do singular (a gente faz, a gente trabalha). O adjetivo concorda com o sujeito: A gente estava cansado (homem). A gente estava cansada (mulher).

  • Xô, bobeiras!

    Você vai fazer concurso? Redige ofícios, memorando, relatórios, exposição de motivos

  • Historinha de amor

    Beatriz morre de preguiça de escrever. Quando tem de dar um recado, não pensa duas vezes. Telefona. Adora ouvir a voz dos amigos no outro lado da linha. Mas as ligações ficaram meio fora de moda. As mensagens eletrônicas pediram passagem. Sem saída, a alternativa da moça é uma só — digitar.

  • Modismo, eta chatice!

    É lugar-comum afirmar que a língua muda. Organismo vivo, está a serviço dos falantes. Eles, como a água que passa sob a ponte, nunca são os mesmos. Movimentam-se, misturam-se, transformam-se. Viva!

  • Dicas de Português

    Há dificuldades e dificuldades. Algumas restringem-se a poucas pessoas. É o caso da grafia desta ou daquela palavra. Basta uma espiadinha no dicionário e eureca! Adeus, nó nos miolos. Outras englobam universo maior. Por exigirem associação de saberes, cobram preço mais alto. É o caso da crase. Além do domínio da regência, o sinal grave impõe conhecimento do emprego do artigo.

  • Adeus, férias

    Tudo passa. As férias também dizem adeus. Depois da folga, é hora de arregaçar as mangas e voltar às atividades. Que tal retornar com mais leveza? Um dos caminhos é livrar-se de vícios que funcionam como pedras no caminho. Há muitos, incontáveis como as estrelas do céu. Entre eles, palavras inúteis ou modismos que contrariam o leitor. Fiquemos com três.

  • Convite para sair

    Em tempos de desemprego, demitir virou palavrão. A palavra vem do latim demittere. Na língua dos Césares, quer dizer deixar cair, fazer descer, ir para a planície. Com os anos, consolidou-se com a acepção de tirar cargo, função, trabalho. Em bom português: sai, ou sai

Publicidade

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Virgem
23/08 até 22/09
A fase lunar nova ocorre no signo anterior ao seu,...

Ver todos os signos

Publicidade