Euro R$ 3,70 Dólar R$ 3,15

Publicidade

Blog de Gleison Wojciekowski

Música

Gleison Wojciekowski

Gleison Juliano Wojciekowski é pianista, regente e professor. Atuou no curso de Música da Universidade de Passo Fundo; foi diretor e vice-diretor da escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel; e é membro da Academia Erechinense de Letras.

Gleison é mestre em História para Universidade de Passo Fundo; mestrando em Musicologia pela Universidade de Santa Catarina; possui graduação em Música – Habilitação em Piano pela Universidade de Passo Fundo (2007); licenciatura em Música pela mesma universidade; e graduação em Informática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (2002).

Já ministrou aulas de música em diversas instituições de ensino superior, como Unoesc (SC) e Famper (PR). Atuou como maestro da Orquestra de Câmara da Universidade de Passo Fundo e atua na Orquestra Belas Artes, além de tocar ao lado do acordeonista Oscar dos Reis, com quem gravou um DVD.

  • Eni Scandolara: dos orfeões ao poder legislativo

    Por Gleison Wojciekowski
    Foto Divulgação

    Talvez boa parte dos leitores lembrem-se da vereadora Eni Scandolara, mas seu trabalho junto à educação e música é muito mais longevo e traz profundas marcas no canto coral e orfeônico da região do Alto Uruguai.

    Eni Maria Baletti Scandolara, nascida aos dois dias do mês de março de 1949, na cidade de Barão de Cotegipe, é filha do empresário Rino Beletti e da cabeleireira Albina Beraldi Beletti, que além de Eni também tiveram os seguintes filhos Delmir Beletti (técnico mecânico), Roni (mecânico), Nilva Beletti Castro (comerciária), Maria Luiza Menegat (contadora).

    Assim como muitos dos erexinenses, Eni Scandolara é descendente de agricultores, tanto pelos avós paternos, Hermínio Beletti e Regina Beletti, quanto maternos, Angelo Baraldi e Amabilia Mingotti Baraldi. Porém a música sempre esteve presente no seio familiar, através do canto, de forma que muitos familiares se envolveram com o canto coral, assim como a própria Eni, que teve esse envolvimento desde a sua infância.

    Seu interesse pela música veio especialmente pela convivência com sua tia Lídia Baraldi Adanzuk, que tocava órgão e cantava na igreja, e dessa forma começou a participar de grupos de canto e orfeões nas escolas.

    Eni Scandolara estudou na Escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel, o curso de Acordeom 1975 com a saudosa professora Gessy Anzanello e, Teoria Musical e Solfejo com a professora Eliete Koff.

    Prestou vestibular em 1975 na URI, para o Curso de Letras, pela música estar na área das Linguagens, e com a sua formação recebida na Escola Municipal de Belas Artes Osvaldo Engel, conseguiu seu primeiro contrato de trabalho, para lecionar em 1976 no município de Faxinalzinho - RS, dessa forma, Eni iniciou sua trajetória na área de educação, ligada, inicialmente, à música.

    Criou, em 1976, na cidade de São Valentim - RS, o Orfeão Uirapuru, grupo com o qual participou por doze anos consecutivos de festivais de coros infantis promovidos pela Coordenadoria da Educação, recebendo uma distinção por ser o único orfeão do interior do estado que participou de todos os festivais.

    Viveu sua infância e adolescência em Erechim, e após seu casamento com Idivir Scandolara em 1974, residiu por quinze anos em são Valentim, onde estabeleceu fortes laços de amizade. Lecionou em Faxinalzinho, São Valentim, Três Arroios e Erechim.

    De volta a Erechimno ano de 1985, atuou na Escola Normal José Bonifácio, onde formou um orfeão infantil. Posteriormente foi convidada pela então Secretária de Educação, Maria Elisa Zordan Franceschi, para levar a música para as escolas do município, como Assessora Cultural da SMEC. Formou o Orfeão Verdes Vidas da Escola Municipal Othelo Rosa, do qual fez a regência por vários anos, e, posteriormente, formou o Orfeão da Escola Dom Pedro II.

    Buscando aprimorar seus conhecimentos, fez diversos cursos de extensão em música e canto coral. Nessa busca por conhecimento, conheceu o maestro José Luis da Silva em um curso que ele estava ministrando, e percebeu que ele poderia ser alguém com quem poderia trabalhar conjuntamente em Erechim.

    Dessa forma, a pedido do prefeito Eloi João Zanella, criaram o Coral Municipal Infanto-Juvenil em 1990, sob regência do maestro José Luis da Silva e coordenação de Eni Scandolara durante oito anos. Com este grupo excursionou por diversos estados do Brasil e também do exterior, participando ativamente dos momentos culturais e sociais da cidade e região. Esse coro proporcionou, também, a muitos jovens a oportunidade de desenvolverem o gosto pela música, e seus frutos são percebidos através dos muitos ex-cantores que são, hoje, profissionais da música. O Coral Infanto-Juvenil de Erechim gravou um CD com 16 canções; este CD foi produzido pela LC Produções e Gravações a pedido da prefeitura municipal de Erechim.

    Eni Scandolara foi convidada a exercer a função de Secretária de Educação em 2006, pelo então prefeito Eloi João Zanella, quando construíram e equiparam várias escolas e ginásios esportivos, ampliando as ações do PROETI (Programa de Educação em Tempo Integral), que proporcionou às crianças e jovens a participação em diversas atividades junto às entidades culturais, esportivas e sociais do município, propiciando aos alunos e suas famílias oportunidades e inserção social. 

    Deste trabalho ao longo dos anos, muitos foram os frutos, como por exemplo, os diversos profissionais que atuam na área musical, que foram despertados para a música pela "Prof. Eni" (como é carinhosamente chamada): Fabiana Lucion (regente e educadora musical), José Carlos Sala (padre e músico), Goy Komosinski (regente), Aline Morena (cantora), Jean Domingues (instrumentista) e Berenice Vaz (cantora).

    Eni Scandolara é casada com Idivir Scandolara, com quem teve três filhos Camilo Scandolara (professor universitário), Thiago Scandolara (publicitário e funcionário público federal) e Cristiano Scandolara (atleta que joga na Itália há 15 anos). Apesar de terem seguido outras profissões, de certa forma, a influência musical de sua mãe está presente na vida dos filhos, pois Camilo atua na área da docência universitária em teatro e sempre participou de grupos vocais e de canto coral; e Cristiano toca violão e cavaquinho.

    Atualmente Eni Scandolara está aposentada do magistério e exerce seu quarto mandato na câmara de vereadores de Erechim (foi eleita em 2000 e reeleita em 2004, retornando ao poder legislativo em 2012 e reeleita em 2016, honrando sempre com muita dedicação, trabalho e ética, cada voto recebido). Sempre incentivou e apoiou os grupos culturais do município, bem como dedica uma atenção especial a AIVIDA (Associação de Idosos Pela Vida), da qual participou da sua fundação e foi presidente; também atua junto à Pastoral de Pessoa Idosa.

    Muito embora Eni Scandolara não tenha formação específica em música ou canto coral, sempre atuou com esforço e carinho, pois considera que "a música e o canto coral uma forma de crianças e jovens desenvolverem não somente suas habilidades artísticas, mas, sobretudo, expressarem seu lado humano e personalidade afetiva". Realizou seu trabalho com dedicação e carinho, acreditando em si e nos jovens, buscando desenvolver neles o melhor de cada um.

  • A família Klein e a música em Três Arroios

    Adolfo Klein nasceu em Venâncio Aires no dia 3 de julho de 1910. Era filho de filho de Jacob Klein - também músico que viveria até os 102 anos de idade - Veio para Três Arroios a convite de um amigo de seu pai, o músico Germano M. Weschenfelder no início da década de 1930, para tocar na sua bandinha.

  • Varguinhas e a gaita fandangueira de Os Monarcas

    Varguinhas participou de mais de 50 gravações de diversos artistas diferentes, além dos Monarcas, com sua acordeona. Lançou também dois discos solos, Acordeona do Varguinhas lançado em 1994 pela LC Produções e Gravações, e em 2010 o CD Ao Meu estilo.

  • O saxofonista Sílvio Schmidt e a bandinha alemã

    Sílvio Schmidt permaneceu com o conjunto Os Cometas por 18 anos, e nesse período gravou três LPs, o primeiro do grupo em 1976, lançado pela gravadora Chantecler, com 12 faixas, foi gravado por Bruno Montanari na igreja da cidade onde todos os músicos tocavam juntos, como em performances ao vivo

  • A maestrina Joane Covolo

    A coluna Músicos de Erechim destaca a história da professora que plantou suas raízes musicais na “terra de leite e mel”

  • A musicalidade da família Kluch

    João Casemiro Kluch formou um grupo na década de 1970, com seus filhos Cláudio Hermes, Adalberto (Beto) e Ester, porém os dois últimos citados não deram continuidade à profissão

  • O “Cometa” Ademir José Savegnago

    O musicista Ademir José Savegnago, nascido em Severiano de Almeida no dia 22 de janeiro de 1961, é filho do agricultor Frederico Alfonso Savegnago e da professora Teresa Rossatto, além de neto de João e Cristina Savegnago. Seu interesse pela música foi incentivado pelos seus irmãos e seu pai, que tocava gaita de boca.

Publicidade

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Libra
23/09 até 22/10
A fase lunar nova ocorre no setor de metas e...

Ver todos os signos

Publicidade