Euro R$ 3,88 Dólar R$ 3,30

Publicidade

Mundo

Trump recebe líder palestino Mahmoud Abbas na Casa Branca

Por Agência Brasil
Foto Divulgação - Agência Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu nesta quarta-feira (3) na Casa Branca o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, para conversar sobre o estagnado processo de paz no Oriente Médio. As informações são da agência EFE.

"É uma grande honra ter o presidente (Abbas) conosco", declarou Trump, no Salão Oval da residência oficial, ao ressaltar que o conflito entre israelenses e palestinos já dura muito e que esperava que "algo fantástico" saísse das conversas de hoje.

Em fevereiro, Trump recebeu na Casa Branca o premiê israelense Benjamin Netanyahu, quando se desvinculou da política de seus três antecessores, ao pôr em dúvida que a paz em Oriente Próximo deva acontecer pela criação de um Estado palestino, por meio da chamada solução de dois Estados. "Estou avaliando uma solução de dois Estados e de um Estado. Gostarei da que as duas partes gostarem. Posso viver com qualquer das duas", afirmou o presidente americano na ocasião.

Ambiguidade

A ambiguidade de Trump sobre esse ponto gerou preocupação entre os palestinos e os países membros da Liga Árabe, que em sua última cúpula ressaltaram seu apoio à criação do Estado palestino.

Por outro lado, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, antecipou ontem que Trump está considerando seriamente em transferir a embaixada do país para Jerusalém, algo que já prometeu durante a campanha. Trump não quis se pronunciar hoje sobre esse tema, ao ser perguntado por jornalistas antes de sua reunião com Abbas no Salão Oval.

"Facilitador"

Trump se ofereceu hoje para ser um "facilitador" de um acordo de paz entre israelenses e palestinos que, a seu julgamento, não pode ser "imposto" por seu país e deve ser negociado diretamente entre as partes. Em uma declaração conjunta na Casa Branca com  Abbas, ele se disse "comprometido" a trabalhar com os dois lados para tentar selar esse acordo de paz.

"Farei tudo o que for necessário para facilitar um acordo, para intermediar ou arbitrar qualquer coisa que eles queiram fazer. E vamos conseguir", declarou Trump. Segundo o presidente americano, ao longo de sua vida "sempre" escutou que "talvez o acordo mais difícil" de ser alcançado é o de paz entre israelenses e palestinos.

"Vamos ver se podemos mostrar que estão equivocados", disse Trump, olhando para diretamente para Abbas, que acenou com a cabeça mostrando concordar. O republicano evitou entrar em detalhes sobre quais são as condições que ele considera que devem haver para tornar possível a paz.

Hoje ele  comentou que não haverá "uma paz duradoura a menos que os líderes palestinos falem com uma só voz contra a incitação à violência e ao ódio". Além disso, destacou que a paz significa também "derrotar" o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) e outros jihadistas.

"Ocupação" de Israel

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), por sua vez, disse a Trump que "é hora de  Israel por fim à sua ocupação de territórios palestinos. Ele reiterou a Trump que qualquer acordo de paz entre palestinos e israelenses tem que incluir a chamada "solução de dois Estados" e ser baseado nas fronteiras de 1967.

Abbas destacou que Trump tem a "determinação" e o "desejo" de ter sucesso em eventuais negociações de paz, e acrescentou que ele acredita "firmemente" que é possível chegar a uma solução permanente sobre o conflito no Oriente Médio.

Segundo a agência de notícias palestina "Wafa", o objetivo da visita de Abbas a Washington é analisar "o papel" que o governo dos EUA pode ter no reatamento das negociações de paz com os israelenses.

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas