Euro R$ 3,74 Dólar R$ 3,12

Publicidade

Rural

Produtores investem na conservação do solo

Por Izabel Seehaber izabel@jornalbomdia.com.br
Foto Izabel Seehaber

Neste mês de maio, algumas lavouras ainda têm uma pequena área com soja a ser colhida. Já no que se refere ao milho a colheita já foi praticamente concluida na região. Após o período de verão é chegado o momento da implantação da cultura de coberturas, através das pastagens que tem como principal objetivo, a proteção e conservação do solo.

Conforme o gerente regional adjunto da Emater do Alto Uruguai, Marcos Gobbo, entre outros problemas, a erosão pode provocar a perda de nutrientes. “Percebemos que nem todos os produtores têm essa preocupação com o solo. No entanto, é uma questão que merece cuidados constantes para evitar prejuízos”, explicou.

Entre as opções de cultura para o período estão a aveia, o azevém e o nabo. “O investimento não é muito alto e, caso seja de interesse dos produtores, as sementes podem ser produzidas na propriedade. A Emater conta com um programa específico de orientação nessa área”, citou.

A próxima etapa será o plantio do trigo e cevada a partir de junho.

Uma questão de prioridade

Para alguns produtores, o trabalho de conservação do solo é uma prática que deve ser levada a sério, pois irá influenciar nos resultados posteriores.

O técnico e produtor agrícola, Marcos Girardi, é um exemplo. Ele comenta que o foco deste período é a produção de cobertura verde, sem fins lucrativos, já pensando nas culturas de verão.

A reportagem do Bom Dia visitou a propriedade localizada às margens da ERS 477, interior de Erechim. Ao todo são 960 hectares de área plantada, sendo 100% em aveia adubada. De acordo com o agricultor, o processo inicia com um projeto organizado por uma equipe de engenheiros agrônomos, os quais, além de orientações, realizam análises de solo. Diante disso é aplicado o calcário e depois realiza-se o plantio da aveia. Também são feitos os tratamentos de correção utilizando ervas daninhas e insetos. “É um processo complicado pois não traz rentabilidade momentânea, contudo, oferece proteção do solo e possibilita a rentabilidade futura. A fase atual é de plantio da aveia, que deve prosseguir por um mês”, relata.

A programação inicia em torno de seis a 10 meses antes do momento atual, com a compra de sementes e adubos. “O que está sendo preparado agora é o solo que irá receber a próxima cultura em outubro ou novembro”, pontua.

Na opinião do produtor, entre outros fatores, o que se torna decisivo no processo e nos resultados, é o cuidado com os prazos de plantio, escolha adequada da semente e da cultura a ser investida.

Sobre a opção da aveia, Marcos diz que é uma das culturas que mais se adaptam às condições da região. “Há variedades e o que está sendo comum é uma mistura de cereais, com doses equilibradas. Com isso as plantas não se tornam dominantes e formam uma cobertura satisfatória, com uma criação de microorganismos muito maior. O solo ainda é um mistério, pois essa preocupação com o melhoramento é a prática mais importante na atualidade, através da nutrição”, explica.

Conforme o produtor, a partir disso, a planta conseguiria extrair ao máximo os nutrientes e apresentar menos stress, o que influencia diretamente na produtividade.

 

 

 

 

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas