Euro R$ 3,85 Dólar R$ 3,26

Publicidade

Segurança

Cadeirante é condenado por homicídio

Por Da redação
Foto Jornal Bom Dia

O Tribunal do Júri da Comarca de Erechim, condenou na tarde desta quinta-feira (11) o réu acusado pela morte do adolescente José Carlos dos Santos. A pena de 13 anos de reclusão no regime fechado. O crime ocorreu no ano de 2012 na Rua Vitelmo Pasquatto, Bairro Progresso, em Erechim. Na época a vítima tinha 14 anos. Rodrigo Casturino (24), confessou a autoria do homicídio qualificado durante a fase de investigação policial, mas negou posteriormente, em juízo. De acordo com a denúncia do Ministério Público a morte foi provocado por desavença entre as por desavença entre as duas partes. Casturino ficou presos apenas 58 dias e respondeu o processo em liberdade. O juiz Marcos Luiz Agostini, titular da 1° Vara Criminal, que presidiu a sessão, determinou a pena de 13 anos de prisão a serem cumpridos no regime fechado. Como Casturino, aguardou a sentença em liberdade, ele poderá recorrer da mesma forma. 

A defesa foi realizada apelo defensor público Leonardo da Silva Darde. Pela acusação atuou o promotor Gustavo Burgos de Oliveira.

Segundo o apurado pela Polícia Civil na época, a vítima, seria viciada em drogas e praticava pequenos furtos para sustentar o vício. No dia 23 de maio de 2012, José teria praticado furto em uma residência e a partir deste momento começou a ser ameaçado de morte por Casturino. Na madrugada do dia 24 de maio de 2012, a vítima foi atingida por disparos de arma de fogo efetuados pelo réu. O motivo do atendado teria sido vingança pelo furto anterior. A vítima chegou a ser socorrida com vida, mas devido aos vários tiros que sofreu na cabeça, morreu durante o atendimento médico hospitalar.

Casturino assistiu o julgamento em uma cadeira de rodas, pois ficou paraplégico em 2015, após sofrer um acidente de moto. Diante dos jurados o réu voltou a negar o crime e disse que foi pressionado a assumir a autoria dos disparos efgetuaados com arma de fogo. Disse que dois anos após o crime compareceu na delegacia de polícia e confessou o homicídio, porque haviam ameaçado a sua mãe de morte. A defesa do réu realizada foi pela defensoria pública deve recorrer da sentença.

As alegações do réu não foram aceitas pelo corpo de jurados, que acolheu a tese do Ministério Público que requisitou a condenação com a qualificadora do crime ser praticado contra menor de idade. Abaixo leia trecho da sentença do juiz Marcos Luiz Agostini.  

"O motivo do crime é torpe, conforme reconhecido pelo Conselho de Sentença. As circunstâncias do delito desfavorecem o acusado, eis que cometido mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, consoante reconhecido pelo Conselho de Sentença. As consequências são normais ao delito. O comportamento da vítima não contribuiu para o delito.  

Assim, por considerar necessário e suficiente para a reprovação e prevenção do crime, valorada nesse momento uma qualificadora (duas foram reconhecidas pelo Conselho de Sentença) fixo a pena-base em 14 (catorze) anos de reclusão.

Na segunda fase de aplicação da pena, ausentes circunstâncias agravantes e reconhecida a atenuante da menoridade, atenuo a pena em 01 (um) ano, para tornar provisória a reprimenda em 13 (treze) anos de reclusão.

Finalmente, não há causas de aumento ou diminuição a considerar, motivo pelo qual torno definitiva a reprimenda em 13 (treze) anos de reclusão.
O regime inicial de cumprimento da pena será inicialmente fechado, em razão da quantidade da pena, nos termos do artigo 33, §2º, alínea "a", do Código Penal."

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas