Euro R$ 3,74 Dólar R$ 3,12

Publicidade

Erechim

SUTRAF-AU define participação no “Ocupa Brasília”

Por Assessoria de imprensa
Foto Divulgação - assessoria de imprensa

A mobilização contra a Reforma da Previdência e Trabalhista continua, nesta segunda-feira, dia 15 de maio, o Sindicato Unificado dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Alto Uruguai (SUTRAF-AU), esteve realizando uma reunião com a direção o sindicato. 

Entre as pautas do encontro estava a organização dos próximos passos da luta que a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Rio Grande do Sul (FETRAF-RS), está organizando. Além do “Ocupa Brasília”, a continuidade das mobilizações passa pela organização estadual de acampamento na semana da votação da Reforma da Previdência e a continuidade de ações locais de denúncias dos deputados que tendem a votar favorável a Reforma da Previdência. 

O “Ocupa Brasília” se trata de uma mobilização unificada dos movimentos sociais e sindicais contra a Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista e acontecerá do dia 22 a 26 de maio. “Estaremos participando desse ato, pois acreditamos que a luta precisa se intensificar ainda mais, já que o governo vem se utilizando de negociatas para aprovação das reformas. Esses projetos são contra os agricultores e trabalhadores e nós precisamos nos unir para não deixar que esse retrocesso das leis trabalhistas aconteça noBrasil”, destacou o coordenador geral do SUTRAF-AU, Douglas Cenci. 

Manobras governistas 

O governo Temer vem se utilizando da  estrutura estatal para conseguir a aprovação da Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista. Independentemente de sua popularidade o presidente está utilizando de diversas negociatas para a conquista de votos para a aprovação dos projetos. 

O SUTRAF-AU denuncia a liberação de emendas parlamentares, assim como a negociação para anistia de grandes produtores e empresas, muitas delas das quais os parlamentares são sócios-proprietários. Além disso, buscando realizar pressão, foram demitidos os indicados de deputados que votaram contra a Reforma Trabalhista. 

Outra ofensiva do governo federal é tentativa de adiamento das eleições para o ano de 2020. Já que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na última semana, mandou instalar uma comissão especial para analisar uma proposta de emenda de autoria do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI). O projeto estabelece a simultaneidade nas eleições para todos os cargos majoritários, dessa forma, em vez das eleições ocorrerem em 2018, elas seriam adiadas para 2020. O sindicato entende que é mais uma manobra na tentativa de aprovação das reformas, com o intuito de conquistar a aprovação dos parlamentares e de que a população “esqueça”, a perda dos direitos trabalhistas. 

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas