Publicidade

Rural

Custo preocupa produtores de milho

Por Edson Castro
Foto Antonio Grzybowski

A safra de milho na região do Alto Uruguai está em plena colheita. Já são mais de 50% da área cultivada colhida, de acordo com dados divulgados pela Emater, escritório regional, no início desta semana.

De acordo com o Assistente Técnico, Nilton Cipriano Dutra de Souza, a produtividade tem se mostrado muito boa estando na faixa entre 8 e 10 mil quilos por hectare, algo em torno de 130 sacas/ha.

Segundo levantamento da Emater, duas coisas passam a preocupar técnicos e produtores, embora uma boa colheita neste ano. O primeiro é a questão da redução de área que ficou em quase 12 mil hectares a menos em 2018, em relação a 2017. “Esta tem sido uma tendência nos últimos anos, mas isso é preocupante pelo fato de não estar havendo rotatividade de culturas em muitas lavouras e também pelo fato de diminuir a sanidade do solo”, diz Cipriano.

Com menos palha no solo, bastante em função do aumento considerável da área plantada com soja, o Assistente Técnico diz que já se veem erosões e a médio prazo, pode-se ter uma terra mais fraca em nutrientes, além de diminuir o controle de pragas com a rotação de culturas.

Outro ponto preocupante tem sido os custos de produção, hoje na casa entre 90 e 100 sacas por hectare.

Cipriano teme ainda que o caminho do milho na região esteja seguindo o do trigo, que reduziu ao longo das últimas décadas, em muito sua área cultivada. “O milho é uma matéria prima essencial para a cadeia da carne, especialmente de frangos. Hoje nossa produção em nível de Estado já é baixa, chegando a cerca de 50% da demanda”, exemplifica.

Embora quebras sentidas em algumas lavouras da região, esta não deve ser maior que 4% no Alto Uruguai. São 33 mil hectares cultivados na região, ante 45 mil na última safra. Na região, outros 16 mil hectares são produzidos com milho para silagem.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas