Publicidade

Estado

sartori.jpg

Sartori fala sobre sua gestão em encontro com jornalistas

Sartori falou com cerca de 30 jornalistas do Clube de Opinião de Porto Alegre

Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

O governador José Ivo Sartori participou, nesta quinta-feira (29), do primeiro encontro do ano do Clube de Opinião de Porto Alegre, liderado pelo jornalista Julio Ribeiro. A conversa com cerca de 30 comunicadores sobre o balanço da sua gestão à frente do Poder Executivo aconteceu na sede da Associação Comercial de Porto Alegre.

Ribeiro abriu o encontro fazendo um panorama da gestão de Sartori, ressaltando a serenidade no enfrentamento das dificuldades. O jornalista questionou o governador se este é "um governo para ser lembrado, continuado ou esquecido".

"Nunca abri mão daquilo que eu sempre fui. Quero sair do Palácio do mesmo jeito que entrei. O papel que eu tenho que desempenhar não é para ser lembrado nem para ser esquecido. É para fazer o que precisa ser feito", afirmou.

Sartori começou sua fala fazendo uma análise da gestão. “Eu sou daqueles que acho que o balanço é positivo e que estamos no caminho certo. Fomos o primeiro Estado a perceber a crise financeira e estrutural e tomar as medidas para seu enfrentamento. Tenho a convicção de que nós fizemos no Rio Grande do Sul o que ninguém fez. E essas medidas ainda não são suficientes", destacou.

O governador também citou mudanças e transformações que foram implantadas junto com o grupo de secretariado para enfrentar a grave crise financeira e dar mais autonomia para o Estado poder investir nas áreas essenciais. Entre as medidas lembradas estão o Regime de Previdência Complementar; a primeira Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual do país; a construção de orçamento realista com o consenso de todos os Poderes; e o novo modelo de governança e gestão que possibilitou modernizar o Estado e atrair novos investimentos e parcerias.

A consolidação de parcerias público-privadas (PPPs) é um dos legados do governo, segundo Sartori. Ele lembrou as iniciativas na área da Segurança Pública e citou o exemplo do grupo de empresários que arrecadou recursos para a compra de 46 viaturas para a Brigada Militar e a Polícia Civil, além de armamentos e equipamentos de tecnologia. Na área da Educação, falou das oito instituições de Ensino Superior que vão trabalhar em conjunto com o governo do Estado para elaborar projetos e obras nas redes elétricas de duas mil escolas públicas.

"As dificuldades não nos paralisaram. Nos ajudaram a fazer as mudanças que eram necessárias. O gaúcho é pioneiro, e mexer na estrutura do Rio Grande do Sul é também um pouco de pioneirismo", declarou.

Regime de Recuperação Fiscal

A adesão do Rio Grande do Sul ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) também foi pauta do encontro. “O Regime de Recuperação Fiscal não é a solução para todos os problemas, mas é um grande passo. O Estado vai deixar de desembolsar R$ 11,3 bilhões em três anos, prorrogáveis por mais três", enfatizou Sartori.

Outro ponto positivo do RRF destacado pelo governador é a possibilidade do Rio Grande do Sul, a partir da adesão, fazer financiamentos. "Nesses três anos e três meses fomos impedidos de fazer um real se quer de financiamentos", lembrou.

A adequação da dívida com a União também foi lembrada pelo governador, que ressaltou que os juros foram reduzidos de 6% para 4%, diminuindo o estoque da dívida em R$ 22 bilhões.

Mudanças necessárias para o desenvolvimento

Sartori disse que a situação financeira do Estado não é nada fácil e a previsão é ter um déficit de R$ 8 bilhões no caixa no fim de 2018. “Mas, se o governo não tivesse feito as mudanças, como o contingenciamento de gastos, o corte no número de CCs (Cargos em Comissão), a redução de secretarias, o déficit poderia chegar a R$ 25 bilhões este ano”, enfatizou.

O ano de 2018 é marcado por ser um ano eleitoral, mas o governador defendeu que isso não pode paralisar o Rio Grande do Sul nem o Brasil. “O mais importante é que os projetos que implantamos tenham continuidade. A modernização do Estado precisa continuar. O caminho é longo, mas precisamos enfrentar”, complementou.

O secretário de Comunicação, Cleber Benvegnú, acompanhou o governador no encontro.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas