Publicidade

Estado

Selado acordo para superar obstáculo na adesão do RS à Recuperação Fiscal

Comitiva gaúcha foi liderada pelo vice-governador José Paulo Cairoli em negociação com representantes da União

rs.JPG
Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

O governo do Estado e a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) farão um documento conjunto, a ser encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF), dando garantias de que o Rio Grande do Sul não sofrerá sanções com a publicação dos gastos com pessoal e pagamento da dívida, que superam 70% da Receita Corrente Líquida. A publicação deste balanço permite que o RS assine o pré-acordo de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), o socorro financeiro governo federal aos estados. 

O acordo foi selado nesta terça-feira (17) em reunião na Advocacia-Geral da União (AGU), intermediada pela ministra Grace Mendonça. "Vencemos mais esta etapa. Assim que houver a homologação deste documento pelo ministro Marco Aurélio Mello, estaremos aptos a assinar o pré-acordo de adesão ao RRF", afirmou o vice-governador José Paulo Cairoli. A comitiva gaúcha teve a presença do secretário da Fazenda, Luiz Antônio Bins, o procurador-geral do Estado, Euzébio Ruschel, e o titular da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado, Álvaro Fakredin.

A adesão possibilita a suspensão do pagamento da dívida com a União por três anos, prorrogáveis por mais três, aliviando o caixa estadual em R$ 11,3 bilhões até 2020. Também abre espaço para que o Rio Grande do Sul receba novos financiamentos. A Lei Complementar que autoriza o Estado a aderir ao RRF foi sancionada pelo governador José Ivo Sartori em 26 de março, cuja redação final foi aprovada pela Assembleia Legislativa em 13 de março.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas