Publicidade

Erechim 100 anos

A grande Erechim: Áurea

aurea.jpg
Por Najaska Martins - najaska@jornalbomdia.com.br
Foto Divulgação

Conheça a trajetória de emancipação dos municípios que inicialmente pertenciam ao território de Erechim e hoje fazem parte da região Alto Uruguai: 

Áurea

Emancipado do município de Gaurama no ano de 1987, Áurea conta hoje com uma população de 3718 habitantes. Seu povoamento, conforme consta nos site da prefeitura de Áurea, teve início em 1906, com a vinda de poloneses e descendentes desses, para um lugar chamado de Rio Marcelino. Os primeiros colonizadores vieram em busca de melhores condições de vida. Dedicaram-se ao desbravamento das matas e ao cultivo do solo. Impossibilitados de pagarem suas terras, muitos trabalharam para o Governo, na abertura de estradas. Neste período, a localidade denominava-se Rio Marcelino. Por volta de 1918, passou a denominar-se Treze de Maio; em 1938, passou a chamar-se Princesa isabel, e em 1944 passou a denominar-se simplesmente Áurea. A ideia da emancipação surgiu com a chegada do Pe. Josef Wajnar, Vigário da Paróquia de Monte Claro de Vila Áurea, em 1980. Em 1944 a localidade passa a denominar-se Vila Áurea. Neste ano veio para esta localidade mais uma leva de poloneses, provindos de Zlotoryja (lê-se Zuotoria) da região de Legnica na Polônia.

Os imigrantes uniram as duas pátrias. Polônia e Brasil, ao concluírem que Zlotoryja e Áurea tem o mesmo significado etimológico: nobre, magnífico, valor que brilha, iluminador de valores. Atributíram o nome Áurea devido ao devotamento a um dos mais antigos quadros de Maria Santíssima (Matka Boska Czestochowa). Todos esses nomes citados referem-se a um fato histórico brasileiro, que foi a Abolição da Escravatura. Áurea é um município formado por diversos grupos étnicos; entre eles, contribuíram italianos, com cerca de 5%; alemães, com 2%, poloneses, 90%; e negros, 3%.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas