Publicidade

Esportes

Para vestir a camisa da sustentabilidade

Por Kaliandra Alves Dias
Foto Kaliandra Alves Dias

O Colosso da Lagoa é um dos maiores estádios de futebol do interior do Rio Grande do Sul. Desde que foi inaugurado no ano de 1970 foi transformado em palco de grandes espetáculos por onde desfilaram grandes craques em jogos memoráveis. Entre as estrelas do mundo da bola que pisaram no "tapete verde" do Colosso da Lagoa está o Rei Pelé, que marcou em Erechim o gol 1040 da sua carreira em um torneio que  contou com a participação do Taguá de Getúlio Vargas, Atlântico de Erechim, Esportivo de Bento Gonçalves, Grêmio, Internacional, Botafogo, Santos, Cruzeiro e Independiente da Argentina. 

Próximo de completar meio século de história e com capacidade para receber 22 mil torcedores o Colosso da Lagoa pode registrar mais um "golaço", deste vez, no campo da sustentabilidade.

A atual diretoria trabalha na fase inicial de um projeto que visa construir uma estrutura capaz de armazenar e aproveitar a água da chuva para irrigar os gramados dos campos oficial e suplementar. Atualmente, a água utilizada é potável, a mesma que abastece as demais dependências da gigantesca estrutura. "É algo que nós desejamos. Não é apenas instalar as caixas d'água. É necessário colocar tubulações, bombeamento para dentro de campo e criar um sistema sustentável", antecipa o presidente Adilson Stankiewicz.

Ao lado do diretor de patrimônio e colega de profissão Osmar Tonin, o presidente do Ypiranga também confirma que a intenção é instalar placas do sistema fotovoltaico para também gerar energia que seria utilizada para abastecer as bombas hidráulicas.

Outra inovação prevista pela diretoria do Ypiranga é ampliar o sistema de drenagem do campo, permitindo que a água da chuva que cai no gramado também possa ser armazenada. Atualmento, assim como grande parte dos imóveis de Erechim, a água da chuva é canalizada para a rede puvial de esgotamento e se mistura com a rede de esgoto.

O gramado verde do Colosso da Lagoa é um espetáculo à parte para o torcedor. A bola rola macia e as jogadas dos atletas tem brilho especial. Além da água a grama é tratada com azevém, prevenindo danos causados pela geada nos períodos de baixas temperaturas.

 

Publicidade

Blog dos Colunistas