Publicidade

Tecnologia

baneville.jpg
banevilla.jpg
banevillee.jpg
banevilleeee.jpg

Aprender brincando

Jogo virtual auxilia nos debates sobre combate ao bullying, indisciplina, saúde e trânsito

Por Najaska Martins - najaska@jornalbomdia.com.br
Foto Najaska Martins

Jogo virtual auxilia nos debates sobre combate ao bullying, indisciplina, saúde e trânsito

 

É responsabilidade das escolas promover medidas de combate ao bullying, além de pensar em ações de promoção da cultura de paz. Isto é o que determina uma lei sancionada nesta semana pela presidência da República. O texto que passou a vigorar na última segunda-feira (14), altera um trecho da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), de 1996 e amplia as obrigações das escolas previstas na lei que criou o Programa de Combate à Intimidação Sistemática, sancionada em 2015.

No Rio Grande do Sul esta tarefa já conta com um auxílio há quase três anos, desde que foram criadas as Comissões Internas de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar (Cipave). Com o objetivo de envolver estudantes, professores e a comunidade, a iniciativa já vem somando resultados positivos, ao passo em que trabalha não somente questões de prevenção, mas também debates e atividades de conscientização e reflexão sobre temas que possam gerar conflitos.

Uma das últimas iniciativas para somar neste trabalho é um jogo virtual que já está mobilizando estudantes. Chamado Beneville – nome da cidade fictícia onde tudo acontece – o jogo desafia os estudantes, estimulando-os na prática de boas ações que, consequentemente, serão revertidas em benefícios à toda cidade.

O jogo, que pode ser jogado em computadores, tablets e celulares, já vem sendo acessado em escolas na região de abrangência da 15ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE). Para participar, basta o estudante cadastrar dados como e-mail e escola e criar um avatar dentro do jogo. Com isso, ele terá acesso às missões propostas em cada etapa.

Ferramenta para auxiliar

A diretora na Escola Estadual Dr. José Vicente da Maia, Silvia Anzolin Ghidini, já tem boas expectativas com o reflexo que o jogo pode causar nos estudantes. A escola conta com 170 alunos divididos em turmas das séries iniciais do ensino fundamental. “Felizmente nossa escola é bastante tranquila, mas entendemos que trabalhar sobre questões como o combate ao bullying, por exemplo, são fundamentais, até porque eles são a base, pois futuramente irão para outras. Por ser lúdico e divertido, acredito que seja uma ótima ferramenta para nos auxiliar a trabalhar estes temas, pois eles aprendem brincando”, completa.

Estudante do 5º ano na instituição, a aluna Evangeline Krupinski pôde conhecer o game e disse ter gostado da iniciativa. “É uma cidade onde a gente pode ajudar a solucionar e resolver os problemas que acontecem e conforme a gente acerta, vai conseguindo moedas para trazer benefícios para a escola e para a cidade”, explicou, ao se referir ao jogo.

Assessora da Cipave na 15º CRE, a professora Miriam de Grandi destacou o papel de conscientização e estímulo às boas ações que o jogo pode permitir. “É uma maneira diferente e atrativa de mostrar aos estudantes situações em que as atitudes corretas deles podem ser revertidas em resultados positivos para a comunidade escolar. Além disso, faz com que eles aprendam e reflitam sobre os problemas”, pontua.

Sobre o jogo

O jogo comporta várias etapas, desde o acesso até a construção de vários ambientes. Através da moeda virtual Cipave é possível realizar diversos benefícios e melhorias na comunidade escolar. Este instrumento pedagógico de combate à violência se estende para todas as escolas da rede pública estadual, municipal e privada, além de toda a comunidade que se sentir atraída para fazer parte desta grande rede virtual em prol da paz na sociedade. O jogo pode ser acessado AQUI  ou na loja de aplicativos de celulares e tabletes com sistema operacional Android.

 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas