Publicidade

Economia

comercio.jpg
tabela cag.jpg

Primeiro saldo negativo do ano na geração de empregos

Comércio foi um dos únicos setores a contratar mais do que demitir em Erechim

Por Najaska Martins - najaska@jornalbomdia.com.br
Foto Edson Castro

Comércio foi um dos únicos setores a contratar mais do que demitir em Erechim

Depois de alavancar números positivos de janeiro a abril, Erechim registrou no mês de maio o primeiro saldo negativo do ano na geração de empregos. Ao todo, foram 1.155 demissões ante 1.074 contratações, o que equivale a um total de 81 vagas de trabalho formal a menos no município. Os dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), desenvolvido pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), divulgados nesta semana.

O desempenho negativo foi puxado especialmente pelo setor de construção civil, que fechou o mês com 86 desligamentos a mais do que contratações. Os setores de serviços, extrativa mineral e agropecuária juntos também somaram saldo negativo de 20 vagas. Em maio, um dos dados curiosos foi referente à indústria que registrou o mesmo número de contratações e desligamentos: 337. No acumulado do ano, porém, este é o setor com maior saldo de postos de trabalho, com 450 vagas.

Para o presidente da Associação Comercial, Cultural e Industrial de Erechim (Accie), Fabio Vendruscolo, o equilíbrio na indústria registrado em maio reflete o atual momento econômico e político do país. “O setor vem se recuperando gradativamente e era esperado que teríamos um equilíbrio maior no segundo semestre, mas em razão da greve dos caminhoneiros as demissões voltaram a acontecer e muitas empresas ainda não se reestabeleceram dos impactos da mobilização”, avaliou.

O empresário ressalta ainda que o bom desempenho desse setor tem reflexos diretos nos demais. “Se a indústria estiver aquecida, os outros setores também são beneficiados, pois ela absorve uma parte expressiva das vagas de emprego e as pessoas estando empregadas, sentem-se mais confiantes para fazer a economia local crescer”, completou.

Apesar dos números gerais de maio terem sido negativos, no acumulado do ano Erechim segue com saldo positivo na geração de empregos, tendo registrado saldo de 889 postos de trabalho. O resultado é consequência de 6.562 contratações ante 5.673 demissões de janeiro a maio de 2018.

Comércio em crescimento

O comércio foi um dos únicos setores que encerrou maio com números positivos. Ao todo foram registradas 273 admissões e 250 demissões, o que resultou no saldo de 23 vagas. No acumulado do ano o saldo já chega a 76 postos de trabalho. Em relação ao último mês, a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Erechim, Arlei Cavaletti, atribui o desempenho positivo à passagem de Dia das Mães, data que movimenta boas vendas nas lojas e, consequentemente, impulsiona contratações.

Neste sentido, a dirigente ressalta que há boas expectativas na geração de empregos para os próximos meses. “Temos para o segundo semestre liquidações, campanhas do Dia dos Pais, campanha do centenário com o sorteio de carros e por tudo isso esperamos um aumento nas vendas e, consequente, maior número de contratações”, projeta.

Saldo negativo na construção civil

Entre os setores, o pior resultado de maio foi na construção civil, que registrou 176 admissões e 262 desligamentos. Com isso, o saldo negativo foi de 86 vagas no mês passado. Para o presidente do Sindicato da Construção Civil e do Mobiliário (Sinduscon) de Erechim, Gilmar Fiebig, este cenário está relacionado à baixa na economia. “A construção civil está muito ligada à expectativa e à confiança e o fato de termos passado um mês bastante conturbado em maio refletiu diretamente no setor. E isso não se limita, por exemplo, somente aos impactos da greve dos caminhoneiros, mas também a acontecimentos na esfera política, o que retraiu bastante o mercado. A insegurança acaba gerando efeitos negativos para o setor”, ponderou.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas