Publicidade

Saúde

Conforto no colchão e cuidado da coluna

No momento da aquisição vale observar a densidade ideal para o peso e o conforto ao deitar.JPG
Rodrigo Mocelin
Por Izabel Seehaber jornalismo@jornalbomdia.com.br
Foto Izabel Seehaber

O que você sabe sobre o colchões? Quando foi a última aquisição? Na quarta-feira (27) o jogador da Seleção Brasileira, Marcelo, pediu para sair do jogo por sentir dores na região da coluna. Após avaliação médica, a suspeita é que o desconforto pudesse estar relacionado com o colchão que o atleta teria utilizado. Casos como este, reascendem a discussão sobre a influência dos colchões na saúde da coluna. 

Conforme o médico ortopedista de Erechim, especialista na área de coluna, Rodrigo Mocelin, existem muitos questionamentos sobre esse assunto, além de dúvidas. Contudo, há de se considerar que não há um colchão ideal para todo mundo, mas deve ser adaptado ao bem-estar de cada pessoa. "Seria como comprar uma roupa, um calçado, que deve ser verificado se atende às necessidades da pessoa, respeitando altura, peso, entre outros aspectos", comenta. Diante disso, o especialista afirma que o colchão ideal é aquele que ao deitar, a pessoa sinta-se confortável. "Por isso deve ser provado antes de confirmar a compra. Seja de mola, de espuma, deve trazer conforto. Recomendamos que não seja nem tão duro e também não tão macio, algo intermediário", reforça.  

A posição ao dormir também é interessante. O mais indicado, segundo o médico, é que as pessoas durmam de lado, com um travesseiro no meio das pernas, abraçado em outro travesseiro e que na cabeça não seja tão alto, que encaixe entre a coluna e o ombro, acompanhando o eixo da coluna. "O pior problema é estar com um colchão bom mas dormir de cabeça para baixo, pois há uma pressão expressiva na coluna", salienta.  

Caso não seja utilizado um colchão adequado, os problemas podem ser os mais variados, tais como: contratura muscular, torcicolo, ciatalgia, hérnia de disco, torsões na coluna, escoliose, que com o passar do tempo, tendem a se complicar, caso não sejam corrigidas as posturas e o colchão. "A orientação é fundamental, independe da faixa etária. Nas crianças há muitos casos de desvios na coluna, por exemplo, causados por falhas na postura ao dormir", cita. 

Densidade 

A fisioterapeuta Mônica Rossetti, explica que o colchão pode proporcionar melhores condições para uma boa noite de sono. De acordo com a fisioterapeuta, o que deve ser observado no momento de adquirir um colchão é a densidade ideal para o peso, sendo que o colchão deve acomodar suavemente o quadril e a região do ombro, para evitar que desça muito e de menos. "Se for um colchão muito duro essas partes vão sofrer um impacto ao dormir de lado e se for um colchão muito mole, a coluna pode ficar desalinhada durante o sono", alerta. 

Além disso, pode ocorrer tendinite, entre outros problemas. Conforme Mônica, geralmente um colchão bom é aquele que considera o peso da pessoa e nem sempre vem com muitos acessórios e preços caríssimos. 

No caso do jogador, a fisioterapeuta não acredita que a cama tenha sido responsável pela lesão, mas que já havia um problema de mobilidade do atleta que causou a dor na coluna. "O colchão em si não pode ter causado, mas somente contribuído para alguma lesão que já existente", comenta.

Na hora da compra 

O vendedor Anderson Graeff, afirma que no momento da venda é fundamental considerar a questão do peso do cliente e, logo, a densidade do colchão. "Perguntamos também se possuem algum problema de coluna. Tomamos os cuidados até mesmo para ampliar a durabilidade do colchão aliada ao bem-estar dos clientes", comenta. 

Conforme o vendedor, são concedidas orientações, entre as quais, a que nos primeiros dias pode ocorrer dor nas costas, mas que isso é normal e é preciso ter uma tolerância até o organismo acostumar. Em caso de continuidade dos problemas, o cliente deve rever o colchão. 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas