Publicidade

Segurança

"Crime do Roselândia" será julgado nesta quinta-feira

Homicídio qualificado ocorrido em 2011 será apreciado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Erechim

Mais um homicídio será julgado no Fórum de Erechim
Por Antonio Grzybowski
Foto Kaliandra Alves/Arquivo

O Tribunal do Júri da Comarca de Erechim julga na tarde desta quinta-feira (19) um homem acusado de homicídio qualificado. Alexsandro Martins dos Santos (30) confessou ser o autor dos disparos de arma de fogo que vitimaram Alessandro da Silva. O crime ocorreu durante um matiné realizado no Clube Roselândia no dia 24 de abril de 2011, por volta das 19h30min. A sessão de julgamento será presidida pelo juiz Marcos Luís Agostini, titular da 1ª Vara Criminal e inicia às 13h30. A acusação é do Ministério Público e a defesa será exercita pela Defensoria Pública.

O réu aguardou o julgamento recolhido ao Presídio Estadual de Erechim. Em depoimento à Justiça, Alexsandro admitiu que efetuou dois tiros com revólver 38 contra a vítima e alegou legítima defesa. Segundo o réu, Alessandro da Silva teria ameaçado um irmão do acusado e realizado disparos de arma de fogo contra a residência do mesmo, não sabendo precisar os motivos da desavença.

No dia em que ocorreu o homicídio o réu e a vítima se encontraram no interior do salão de eventos situado na Rua Vitorio Menoncin, número 110, onde estava sendo realizado em baile de Páscoa que teria iniciado por volta de 16h. Alexsandro contou em depoimento, durante a fase de instrução processual, que naquela ocasião a vítima teria feito gestos com os dedos indicando que iria lhe matar. Diante da suposta ameaça ele teria até sua casa buscar a arma e retornado ao salão com a intenção de defender-se de possíveis agressões. 

O réu admitiu que ludibriou o sistema de segurança, escondendo o revólver em uma faixa no braço. Argumentou ainda que reagiu e fez dois disparos contra a vítima quando teria sido surpreendido no interior do banheiro. Testemunhas ouvidas pela Polícia Civil e pela Justiça contaram outra versão. Alessandro da Silva teria sido alvejado pelas costas enquanto urinava e morreu no local. 
Na sentença de pronúncia publicada no dia 17 de dezembro de 2015 o juiz Marcos Luís Agostini, reconheceu as evidências sobre o crime apontadas no inquérito policial e denúncia do Ministério Público e, de acordo com a legislação, decidiu submeter o caso ao júri popular, com o agravante da denúncia que a vítima foi atingida de surpresa e sem poder reagir.

"Repiso que para acolher a tese defensiva seria necessária a certeza a respeito da circunstância alegada, não bastando a dúvida, ainda que fundada, pois a competência para o julgamento dos delitos dolosos contra a vida é do Conselho de Sentença", sentenciou o juiz conforme texto original do processo.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas