Blog do Gilberto Jasper

coluna.jpg

Coquetel fatal

Por Gilberto Jasper

A sequência macabra de acidentes que vitimou um grande número de pessoas na semana passada recoloca na pauta o debate sobre a falta de educação no trânsito. O aumento do fluxo de veículos não responde, sozinho, pela elevação abrupta das estatísticas nesta época do ano.

Participei de coberturas de praia durante oito anos como repórter do jornal Zero Hora, a partir de uma sucursal sediada no Hotel Beira-Mar, em Tramandaí.  Perdi a conta de acidentes horríveis que cobri. Muitos episódios envolvendo famílias de argentinos que acorrem ao nosso litoral aos milhares em busca de descanso.

Na década de 90, a quantidade de acidentes a um nível que levou o comando da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) do posto de fiscalização na entrada de Capão da Canoa a adotar uma estratégia chocante, polêmica. Todos os dias centenas de motoristas eram flagrados, na maioria, por excesso de velocidade.

O chefe do posto da PRE montou uma sala onde os infratores aguardavam para receber e assinar as multas. O diferencial eram as paredes deste ambiente, forradas de fotos ampliadas mostrando cenas horripilantes de acidentes. A maioria mostrava pessoas mutiladas, dentro dos veículos, preso às ferragens, inclusive com crianças. A ideia era chocar de tal maneira os condutores que fizesse com que ele jamais ultrapassassem os limites de velocidade e repensassem a conduta ao volante.

Depois de algumas semanas voltei ao posto da PRE e perguntei sobre os efeitos da medida. O inspetor da polícia rodoviária reconheceu que, além do choque, os resultados não atingiram os objetivos propostos.

- Funciona como um radar ou uma lombada eletrônica. Basta passar pelo obstáculo para retomar a velocidade acima do limite permitido, esquecer a imagem e seguir infringindo as leis. – lamentou o policial.

A raiz do problema é a educação. Crianças veem, ao vivo e em tempo real, cenas deploráveis patrocinadas pelos pais e pessoas conhecidas da família. Constatam a irritação que leva à violência verbal e física, notam que a pressa está presente em todos os momentos e que as placas de sinalização são ignoradas.

Recém chegamos à segunda quinzena de janeiro. Teremos muitas notícias macabrasnvolvendo o trânsito no Rio Grande do Sul. Inúmeras famílias lamentarão perdas, lamentando a ausência para sempre de entes queridos ou que sustentavam inúmeros lares. Carros velozes com tecnologia de ponta, estradas seguras, dispositivos para coibir as infrações. Nada disso será eficiente enquanto o fator humano continuar sendo o diferencial de todo esforço para evitar mortes nas avenidas e rodovias.

O verão, para muita gente, continua sinônimo de pressa, lazer e irresponsabilidade. Um coquetel cujo resultado tem sido fatal.

Leia também

  • Sinceridade é tudo

    As onipresentes redes nem sempre sociais permitem reencontrar personagens que foram importantes em nossa vida. Ex-amores, ex-colegas, ex-vizinhos, amigos que se perderam ao longo da trajetória. São figuras que participaram de nossa rotina, mas seguiram outros caminhos, mas permanecem na memória.

  • Educação é futuro

    A educação está no cerne dos principais problemas sociais do país. Infelizmente a falta de sensibilidade de quem decide onde gastar os recursos públicos impede que a situação seja enfrentada com determinação, embora praticamente todo mundo concorde com esta tese.

  • Cuidado com o Whats

    Fake news é o neologismo para definir o que antigamente se denominava fofoca ou boato. Gente especializada em difundir conteúdos falsos povoam o mundo desde o paraíso, onde a serpente - sempre citada como vilã- nunca pôde se defender.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Virgem
23/08 até 22/09
A fase lunar nova ocorre no signo anterior ao seu,...

Ver todos os signos

Publicidade