Blog do Dennis Allan

coluna.jpg

Salmo 77 - Que Deus é tão grande?

Por Dennis Allan

Angustiado ao ponto de não conseguir dormir, Asafe compôs o Salmo 77 para afirmar sua confiança em Deus nos momentos mais difíceis da sua vida. Enquanto alguns dos hinos de Asafe tratam de assuntos de interesse nacional, o tom do Salmo 77 é pessoal, descrevendo a angústia que o próprio autor enfrentava. Ele não explica a circunstância, mas revela seu coração e lembra da grandeza do Deus que cuidava de Israel.

Esse Salmo se divide em duas partes principais. Na primeira, o autor descreve sua profunda tristeza e dificuldade em compreender o motivo do seu sofrimento (versos 1 a 9). Na segunda, o foco está em Deus como o poderoso salvador do seu povo (versos 10 a 20).

Talvez a maior lição prática desse Salmo venha dos primeiros dois versos:

“Elevo a Deus a minha voz e clamo, elevo a Deus a minha voz, para que me atenda. No dia da minha angústia, procuro o senhor; erguem-se as minhas mãos durante a noite e não se cansam; a minha alma recusa consolar-se” (Salmo 77:1-2).

Quando passamos por momentos especialmente difíceis de desânimo ou até depressão, onde procuramos ajuda? É comum mergulhar-se na tristeza e isolar-se de outras pessoas ou procurar algum alívio em bebidas ou outras drogas. Mesmo algumas pessoas que professam fé no senhor tendem a esquecer de Deus e fugir da sua presença nos momentos de angústia. Não foi o procedimento de Asafe. Mesma nas noites mais difíceis de insônia, ele procurava o senhor.

A sua busca não trouxe consolação imediata. Quanto mais Asafe pensava em Deus, mais frustrado ficava. Onde estava o senhor quando Asafe sofria? Deus havia rejeitado seu servo por algum motivo? Se era isso, seria essa rejeição total e final?

“De noite indago o meu íntimo, e o meu espírito perscruta.

Rejeita o senhor para sempre?Acaso, não torna a ser propício?

Cessou perpetuamente a sua graça? Caducou a sua promessa para todas as gerações?

Esqueceu-se Deus de ser benigno? Ou, na sua ira, terá ele reprimido as suas misericórdias?” (versos 6 a 9).

Uma característica do trabalho de Asafe é sua sinceridade em confrontar suas próprias dúvidas e dificuldades. Nesta primeira fase do processo, ele até chegou a pensar que Deus havia mudado! Como diz na versão Nova Almeida Atualizada: “Então eu disse: ‘esta é a minha aflição: o poder do altíssimo não é mais o mesmo’” (verso 10).

Mas Asafe não terminou o Salmo com suas dúvidas, nem com suas conclusões iniciais. A busca continuou, e ele se lembrou das grandes obras realizadas por Deus no passado, especialmente do trato especial dado ao povo escolhido. Ele fala das grandes obras realizadas por Deus e pensa no caráter divino:

“O teu caminho, ó Deus, é de santidade. Que deus é tão grande como o nosso Deus?

Tu és o Deus que operas maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder” (versos 13 e 14).

Nas obras de Deus, Asafe enxergou a santidade e a onipotência como atributos principais do senhor. O poder de Deus faz a terra tremer e os abismos se abalarem, mas o mesmo Deus trata com carinho seu povo escolhido. Ele salvou a nação de Israel (verso 15) e guiou os escolhidos por meio de Moisés e Arão (verso 20).

Asafe não revela o motivo da sua ansiedade, mas ele deixa claro que achou a resposta em Deus. As nossas provações podem vir de muitas direções diferentes. O que importa não é a fonte da angústia, e sim a nossa reação. Que façamos como Asafe, buscando e encontrando as respostas em Deus.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Sagitário
22/11 até 21/12
Pode receber um dinheiro inesperado ou ter boa...

Ver todos os signos

Publicidade