Publicidade

Blog de Neivo Zago

Geral

Neivo Zago

Neivo Zago, especialista em Língua Inglesa (Unisinos) e mestre em Línguística (UFSM). Professor de português e de inglês desde 1974, ininterruptamente.

Lecionou em escolas estaduais e particulares (curso de inglês). Atualmente trabalha na URI. 

É colaborador assíduo escrevendo às sextas-feiras sobre assuntos gerais, específicos e temas do cotidiano.

  • Cidade de Deus, linha amarela e linha vermelha

    Por Neivo Zago

    "Tiroteio na Cidade de Deus deixa três mortos, bloqueia Linha Amarela. Linha Amarela volta a fechar em outro dia de tiroteios na Cidade de Deus. Tiroteio e protestos bloqueiam Linha Amarela na Cidade de Deus, no Rio. Confrontos na Linha Amarela, após morte de três na Cidade de Deus, causam interdição e pânico".

     As manchetes acima são apenas algumas de tantas relatadoras das inúmeras facetas da violência que assolam as grandes cidades, mas que se alastra por todos os espaços, de forma generalizada. 

    Os números de pessoas ceifadas no trânsito e as assassinadas por diversas causas ultrapassam a cem mil por ano, uma cifra vultosa, inaceitável e inacreditável, mormente se comparado a países do primeiro mundo, porém até demasiados, quando equiparados aos subdesenvolvidos e em desenvolvimento.

    Cidade de Deus, Cidade Maravilhosa, a cidade do Cristo Redentor, a Porto Alegre entre outras; nomes de santos e tão sugestivos e até abençoados, porém nada têm a ver com a realidade em um contexto no qual as pessoas parecem não ter mais valor. É sabido que muitos dos homicídios são decorrentes das lutas entre facções criminosas, pelo domínio de pontos de tráfico; compra e venda de drogas que podem significar o princípio, quando não são a consequência geradora de mais violência.

    Porém, infelizmente não há mais restrições geográficas e nem barreiras que ajudam a conter a disseminação da violência. Nem mesmo as localidades mais tranquilas e os lugares mais telúricos estão livres de ataques de toda ordem. Os direitos de liberdade e de segurança próprios dos cidadãos e garantidos por lei, já foram para o espaço há muito tempo, infelizmente. 

    Parece não haver mais pudor e respeito à vida humana. Para os desalmados bandidos é bem mais fácil investir contra a propriedade alheia, seja esta pública, ou privada e apossar-se dela como se fossem sua. Exemplos dessas investidas são os constantes e repetitivos assaltos às agências bancárias normalmente tendo como foco os caixas eletrônicos. O pior é, quando pequenas agências sofrem esses atentados e, não raramente com uma única unidade em pequenas cidades do interior, acabam por prejudicar toda a comunidade incluindo aposentados que não têm como retirar a sua mísera aposentadoria.

    Porém, pior do que esses "marginais" são alguns dos que foram eleitos pelo voto cidadão. Certos parlamentares verdadeiras rapinas, que transformaram o seu ofício em balcões de negócio, de interesse grupal, corporativo e até individual. Esses também formam o bando de ladrões autorizados, os investidos de poder e quando erram tem ao seu favor o malfadado foro privilegiado. 

     Tirar férias, aproveitá-las e voltar sãos e salvos para casa não é mais garantia absoluta porque o trânsito com suas implicâncias e perigos é um espaço conspirador da integridade e vida humana. As precárias condições das rodovias e muitas estradas deficitárias, além da imperícia humana e a direção ofensiva se constituem em ingredientes perfeitos causadores de mortes em escalada crescente nas estatísticas das cifras como as mais recentes do carnaval. "As pessoas parece que perderam a sensibilidade em relação à vida". O número alarmante de mortes já não impressiona. (Pe. Giovani, homilia da missa 13.02). A Campanha da Fraternidade deste ano, outra vez foca a sua atenção para o problema da violência, mas se as pessoas não se conscientizarem pouco efeito fará essa iniciativa.           

    E, enquanto isso, nós cidadãos não temos muito mais a fazer a sua parte, para mudar a situação. Não temos outros recursos do que confiar e acreditar na Providência Divina, uma vez que pouco ou quase nada se vê em se tratando de iniciativas e políticas públicas das autoridades, políticos e poderes constituídos que deveriam se ocupar com isso. 

  • Outra vez caminhando em procissão*

    É outra vez outubro, um mês especial, o décimo do ano que aos poucos vai anunciando o seu ocaso. É um período especial por várias datas comemorativas; algumas comerciais, (dia da criança, do professor) e também por motivações religiosas, dentre elas (neste ano) o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima e os trezentos anos de Nossa Senhora Aparecida. Assim, jubilosos vivamos este mês, pois ainda há tempo.

  • Outra vez caminhando em romaria

    Para contextualizar, quer você acompanha ou não este texto regularmente, o excerto acima em destaque encerrou o artigo deste espaço, (28.09), tendo como título: Não é apenas uma semana. Há dias era outro o ambiente criado na esplanada do Seminário de Fátima

  • Acabaram com a minha “Mata Atlântica”

    Ainda não se concretizou a previsão do lide acima. Ainda restam algumas árvores; ainda alguns peixes nadam; ainda a água corre nos rios. Mas, se a ordem e a velocidade das ações deletérias humanas não forem freadas, é possível, que o prognóstico se torne realidade em um prazo não tão longe assim

  • Uma busca afã de registros escritos no passado

    Dessa vez a ida ao meu endereço que se repete com bastante freqüência, por objetivos específicos, como caminhada, a pedalada, a oração e a atuação, teve uma finalidade pontual.

  • Professora agredida, catequista assassinada e escola queimada

    Não há como ficar alheio à barbárie a qual somos acometidos dia sim, dia não, em toda parte. A falta de respeito à dignidade humana banaliza a vida em todas as suas dimensões

  • Um país assim no pode dar certo

    Há poucos dias ouvi estarrecido, em uma rádio local, notícia sobre o valor astronômico que nós brasileiros pagamos para o congresso

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Libra
23/09 até 22/10
A fase lunar nova ocorre no setor de metas e...

Ver todos os signos

Publicidade