Publicidade

Blog de Coluna do Leitor

  • A música na história de Barro-Gaurama

    Por Coluna do Leitor
    Foto Divulgação

    Semana Nacional de Museus:

    A música na história de Barro-Gaurama

    Elisiane Gnovatto

    Historiadora

    A nova exposição do Museu Municipal Irmã Celina Schardong de Gaurama, denominada Pautas culturais: a música na história de Barro/Gaurama retrata a presença desta expressão artística desde o início da colonização, as suas transformações e novas tecnologias quando da chegada da energia elétrica.

    Os (i) migrantes europeus e seus descendentes trouxeram para Barro inúmeros traços culturais observados na linguagem, na arquitetura, na culinária, nas vestimentas e também na música. Vindos de diferentes regiões da Europa, carregaram nas malas instrumentos e partituras das canções que entoavam nas festas de seus vilarejos.

    Naqueles tempos, a música era uma das várias manifestações artísticas que fortalecia a identidade de um determinado grupo de (i) migrantes com características comuns. O surgimento e o fortalecimento de sentimentos comunitários, em consequência, de planos de realização coletiva nos povoados que se originaram nas regiões de (i) migração, foram sempre intimamente relacionados com as festas religiosas e cívicas, onde a musicalidade era elemento presente. A vida associativa desenvolveu-se cedo e as sociedades étnicas estavam presentes em Barro desde a década de 1920. Nelas, podiam revelar traços identitários como se estivessem em seus países de origem, e com sentimentos nostálgicos...

    As orquestras

    Para os bailes e festas, grupos de amigos costumavam chegar ao lombo de um cavalo à casa onde se reuniam para ensaios. Nos sábados andavam muitos quilômetros sobre os animais para se apresentarem a uma platéia ávida esperando a música e o baile.

    Os bumbos e clarinetes dividiam espaço com outro utensílio indispensável nos primórdios do século passado: o lampião a querosene, que iluminava as mesas de tábuas brutas onde as partituras eram caprichosamente reproduzidas uma a uma com caneta-tinteiro. As iguarias como batata-doce assada, vinho colonial, rapadura de cana, faziam parte do cenário confraternizado entre adultos, jovens e crianças.

     

  • Erexim, 100 anos

    Nenhum som anunciando o dia festivo

  • Reflexões sobre a moda

    Nesta segunda década do século 21 a sociedade contemporânea é caracterizada pela influência da tecnologia sobre o cotidiano das pessoas. As informações circulam com maior intensidade e impactam na forma do pensar e agir de crianças, jovens e adultos de todas as idades. Se o passado o telégrafo era o meio mais ágil de transmitir uma mensagem escrita o cenário da comunicação é bem diferente. Agora, temos as redes sociais, ferramentas capazes de transmitir em tempo real não apenas textos, mas também som e imagem em qualquer parte do mundo. Nesta mesma velocidade a moda sofre mutações, pois a tecnologia que transformou as fábricas, também eleva o nível de conhecimento do ser humano que trabalha muito e permanece conectado na maior parte do tempo, projetando a concretizações de sonhos que satisfaçam suas necessidades.

  • Erechim, uma bela e diferenciada cidade

    Conhecia Erechim superficialmente por várias passagens desde a segunda metade da década de 1980, quando aqui pernoitava, após rodar cerca de 800 kms vindo de São Paulo, capital onde eu residia para chegar a Uruguaiana, minha cidade natal

  • 104 anos de sabedoria e trabalho constante

    O ser humano nasce e aos poucos vai escrevendo sua história. Como um cometa que ao passar deixa seu rastro, todos desenham seu caminhar, brilhante ou opaco.

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Aquário
21/01 até 19/02
A fase lunar nova ocorre no setor de relações...

Ver todos os signos

Publicidade