25°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Ensino

Importância do brincar: reflexos na socialização até o desenvolvimento integral

teste
Na Escola da URI, o brincar é potencializado diariamente por meio de propostas que valorizem e desen
Por Izabel Seehaber
Foto Divulgação

Um movimento internacional, com o foco voltado à uma infância digna e saudável, foi idealizado pela “Aliança Pela Infância” e originou a Semana Mundial do Brincar. Neste ano o tema é: “Confiar na Força do Brincar” e prossegue até o domingo (29), tendo o ponto alto neste sábado (28), como dia internacional. A ação celebra o direito das crianças brincarem e endossa essa importância para o seu desenvolvimento integral.

A professora da Escola Básica da URI – campus de Erechim, Camila Paula Jevinski, destaca que o ‘brincar’ permite que as crianças explorem o mundo e encontrem seu lugar nele. “É exatamente pela grandiosidade e importância do brincar para o desenvolvimento infantil que essa data passou a ser celebrada, objetivando conscientizar, especialmente nós educadores e adultos, sobre a necessidade de a criança brincar”, salienta.

Influências das brincadeiras

De acordo com a educadora, é por meio das brincadeiras que as crianças desenvolvem suas próprias aprendizagens, seja ela com dramatizações que imitam o mundo dos adultos, jogos, o faz de conta, com palavras, ou seja, a criança que brinca sempre estará adquirindo habilidades criativas, sociais, intelectuais e físicas. “Brincar é indispensável para o desenvolvimento da identidade e da autonomia. É perceptível que estimular o brincar favorece a interação entre as crianças, permitindo que elas se comuniquem com outras pessoas, expressando suas angústias e alegrias”, ressalta Camila ao acrescentar que o brincar é também uma das formas de socialização que se propõe na escola. “Assim, as crianças aprendem a conviver em sociedade e, é por meio das interações que a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual são potencializados”.

Transformações registradas com o tempo

Se por um período as escolas de educação infantil eram classificadas como “assistencialistas”, consideradas apenas um espaço para as crianças ficarem enquanto os pais estivessem trabalhando, a partir do momento que a infância passou a ser problematizada, a educação infantil definiu três conceitos estruturantes: cuidar, educar e brincar. “Neste sentido, as instituições comprometidas com o desenvolvimento global da criança buscam construir, por meio do planejamento, práticas integradas pois consideram a criança com um ser que possui necessidades e especificidades e, portanto, devem ser considerados para a sua formação integral”, explica a professora da Escola da URI.

Segundo ela, as experiências vividas nos espaços de Educação Infantil devem possibilitar às crianças a interação e reflexão sobre o mundo que os cerca, sobre as relações com outras crianças e adultos, para que possam criar e testar suas hipóteses, construindo, assim, suas aprendizagens. “As experiências, vivências, saberes e interesses infantis são pontos de partida para novos conhecimentos”, reforça.

Pandemia e impactos mais expressivos na rotina de brincadeiras

A pandemia, assim como em diferentes setores e atividades, provocou impactos expressivos na Educação. “Devido ao longo período de distanciamento social e escolas fechadas houve uma ruptura nas práticas pedagógicas, especialmente nas experiências do brincar coletivo, pois a criança ficou esse período em casa, na maioria das vezes interagindo apenas com adultos”, relata Camila ao mencionar que, o retorno às aulas presenciais iniciou como um resgate, uma nova caminhada em busca da valorização das infâncias, das interações e principalmente da afetividade.

Ao mesmo tempo, Camila reitera que um dos principais desafios é compreender que a criança tem direito de brincar. “Entendê-la como sujeito de direitos é proporcionar um brincar de qualidade para ela. O ponto de partida é incluir na rotina escolar propostas que possibilitem às crianças o seu desenvolvimento integral, pois a brincadeira é responsável pelo desenvolvimento das habilidades corporais, da linguagem, da imaginação e da criatividade. Por meio de contextos e propostas preparadas com intencionalidade pedagógica as habilidades intelectuais também são estimuladas, criando possibilidades para que as crianças busquem soluções, negociem e dialoguem”, enfatiza.

Brincar está presente o ano todo na Escola da URI

O brincar na Escola da URI está presente no cotidiano escolar durante o ano todo, e não apenas nesta semana. “O brincar é potencializado diariamente por meio de propostas que valorizem e desenvolvam as habilidades das crianças, permitindo que elas sejam protagonistas das suas aprendizagens”, afirma a educadora.

Assim, a qualidade do brincar é oportunizada em todos os espaços da instituição, seguros e adequados de acordo com cada faixa etária. “As vivências da nossa instituição são pensadas cuidadosamente para serem desafiantes, convidativas e encantadoras. É na sutileza dos detalhes que as experiências tornam-se únicas, como a infância merece”, declara profª Camila.

 

 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas