Blog do Rodrigo Finardi

Foto 1.jpg

Nova equipe assume a Ortopedia e Traumatologia do Santa Terezinha

Por Rodrigo Finardi
Foto Rodrigo Finardi

Dia 16 de agosto, uma nova equipe de médicos assume os serviços de Ortopedia Traumatologia da Fundação Hospitalar Santa Terezinha em Erechim. Trata-se da Ortotrauma de Porto Alegre, ao custo aproximado de R$ 300 mil por mês.

De acordo com o Diretor executivo do hospital, Helio Bianchi quando assumiu recebeu a incumbência do prefeito Luiz Schmidt em tirar o Santa do vermelho. Cada contrato que vence é feita a renegociação. E chegou a vez da Ortopedia e Traumatologia, que na previsão orçamentária para 2017 consumiria quase R$ 7 milhões (em torno de R$ 583 mil por mês).

Foi feito um contrato emergencial de seis meses, já que a licitação acabou deserta (nenhuma proposta foi feita). O hospital estava oferecendo R$ 210 mil por mês. Diante deste novo quadro, questionei Bianchi de que forma será prestado o serviço por quase metade do valor sem prejuízo para a população: “Eles (Ortotrauma) terão que realizar o mesmo contrato que até então está sendo feito. Lógico que teremos um período de adaptação, mas sem nenhuma espécie de prejuízo aos usuários do Sistema Único de Saúde”.

A equipe contratada terá que fazer em média 280 cirurgias por mês e atender em torno de dois mil pacientes (91 por dia). Quando questionado quantos médicos virão para Erechim, Bianchi reiterou: “eles têm que cumprir o contrato estabelecido e para isso terão que disponibilizar o número de profissionais necessários para o bom andamento dos serviços”.  

Sobre a redução no valor do contrato, o diretor falou que foi possível em função da readequação de alguns procedimentos que não precisam ser feitos no hospital e que a rede pública de saúde em Erechim e na região deve absorver esses serviços.

Sobre o déficit previsto do Santa para 2017 de 7 milhões, Bianchi projeta fechar o ano com valor abaixo disso, em torno de 2,7 milhões, com as ações que estão sendo tomadas: “precisamos oxigenar o Santa. Precisamos novos pensamentos. Não somos o dono do saber. Temos que nos espelhar em outros lugares”, finaliza.

A previsão de receitas para 2017 é de R$ 76.682.058,22. Porém as despesas previstas são de R$ 83.969.133,21. Como é uma previsão estes números estão sofrendo alterações. E cito dois exemplos para exemplificar isso. Primeiro que neste déficit já está incluído R$ 5 milhões que a prefeitura irá repassar par ao hospital, quando da elaboração da peça orçamentária pelo governo anterior e não está incluído os novos valores pagos pelos municípios da AMAU repactuado alguns meses atrás.

Os números consolidados de 2016, mostraram um resultado contábil negativo de R$ 2.174.544,95. E um resultado operacional negativo de R$ 5.294.323,07. O Santa Terezinha arrecadou em torno de R$ 73,5 milhões e gastou R$ 75,67 milhões.

 

Anestesistas

Recentemente foi feita uma licitação no Santa Terezinha para saber quem irá prestar serviços de anestesia. Duas empresas participaram. A atual, que já presta serviço e uma de Passo Fundo, que entrou com recurso sobre o resultado. Nos próximos dias o jurídico da instituição terá um parecer sobre esse imbróglio.

 

Pensamento e malandragem dos velhos ‘lobos’

Recebo e-mail de leitor questionando vereadores de primeiro mandato que já querem concorrer à deputado, que me solicitou para preservar seu nome. Veja os argumentos apresentados: 

“Tenho acompanhado sua coluna no jornal Bom Dia por entender ser uma fonte que nos traz as notícias políticas do município com o maior grau de veracidade possível. Dias atrás, escrevi e-mail para um vereador de primeira gestão, dizendo à ele que, foi eleito contando com meu voto e de meus familiares mas, diante do que venho observando já estou particularmente arrependido. Lendo sua coluna do dia 10, lembrei-me do que escrevi e que, como de costume não obtive resposta. Portanto, vou fazer-lhe uma pergunta: -  Será que uma pessoa que " NUNCA" exerceu cargo público ou político, eleito pela primeira vez, antes de pensar em candidatar-se a deputado não deveria primeiro mostrar para seus eleitores o que pode fazer pelo município?

Minha dúvida é, será que essas pessoas não se candidataram a vereador apenas para ter um degrau? Será que não se candidataram a vereador apenas visando um cargo maior? Tanto prometeram e em apenas sete meses no cargo nada fizeram ou mostraram e já se acham aptos a ser deputado? Ora Sr. Rodrigo, apenas um ingênuo não poderá ver o que nós vemos.

Essas pessoas estão pouco ligando para o município, entraram há apenas 7 meses no governo e já estão com o pensamento e a malandragem dos velhos ‘lobos’. Eu disse para o meu vereador através do e-mail que, ledo engano se ele pensa que terá novamente votos em minha família, primeiro mostre serviços ao município que o elegeu, depois de muitas obras poderá vislumbrar cargo maior. Infelizmente, esses são nossos representantes e, como diz o velho ditado: - Trocam-se as moscas mas, o ‘melado’ sempre será o mesmo”.

 

Adjunta da Educação deixa o cargo

Mara Pilotto não é mais a secretária adjunta de Educação de Erechim. No portal da transparência do site da prefeitura seu nome ainda consta. Na noite de quinta-feira, recebi a confirmação de sua saída e que foi uma decisão de governo. Ontem, procurei a secretária de Educação, Vanir Bombardelli, que me afirmou ainda não ter um nome para substituir Mara. A secretária espera que nos próximos dias possa anunciar quem ocupará o cargo.

 

55 futuros médicos

Domingo chegam em Erechim os três técnicos do MEC para avaliar a estrutura da rede de saúde para a URI receber o curso de Medicina. Ontem, recebi informação que além dos avaliadores do MEC, virão mais dois do Ministério da Saúde. Ficarão por três dias, com visitas aos hospitais de Getúlio Vargas e Nonoai, além do Santa Terezinha. Após é aguardar a avaliação desta visita in loco que é a última etapa a ser cumprida para que o curso possa ser efetivado e quem sabe no próximo ano, 55 futuros médicos iniciem os estudos. Aliás, na área de saúde, é o único curso que falta para a URI.

 

Contrariedade

Ontem escrevi neste espaço, que o Distritão é um duro golpe na democracia pois tem no seu bojo a perpetuação de alguns políticos no poder. Não tem hora mais errada para tal mudança, onde as eleições para os legislativos passa a ser majoritária. Os mais votados entram e termina com o quociente eleitoral. Daqui a pouco os legislativos ficarão na mão de três ou quatro partidos e a barganha com os executivos tende a aumentar. A vereadora do PCdoB em Erechim, Sandra Picoli protocolou moção de repúdio contra o Distritão. Segundo ela, isso acabaria com os partidos que buscam fazer política para o coletivo. Essa é uma discussão longe de acabar.

 

Um sinal para a renovação

Um dos partidos mais tradicionais de Erechim é o Partido Progressista (PP) do ex-prefeito Eloi Zanella que governou a cidade por quatro vezes (18 anos – teve um mandato tampão de seis anos). Caso o Distritão estivesse em vigor nas eleições do ano passado, o partido não teria feito nenhum vereador. Estaria sem representatividade. Pode servir como um sinal para o novo presidente da sigla Reginaldo Bolis renovar os quadros, buscar alternativas para atrair mais jovens e lideranças para o partido.  

 

Já passou da hora do povo ir às ruas

E segue o deboche com o povo brasileiro. Deputados cogitarem R$ 3,6 bilhões de dinheiro público para bancar campanhas eleitorais é um tapa na cara da sociedade, que paga caro e recebe pouco em troca. Cada um olhando para seu umbigo e o povo. O povo que se lixe, depois aumentamos o combustível, o imposto de renda, criamos alguma outra contribuição e assim vamos levando a política do quanto pior, melhor. Lamentável. Já passou da hora do povo ir às ruas.  

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Gêmeos
21/05 até 20/06
A fase lunar nova estimula aprendizados e contatos com o...

Ver todos os signos

Publicidade