Euro R$ 3,82 Dólar R$ 3,25

Publicidade

Segurança

Polícia Civil de Erechim adere à paralização

Por Da Redação - jornalismo@jornalbomdia.com.br
Foto Davi Martinelli

Policiais civis de todo o Alto Uruguai aderiram à greve da categoria deflagrada neste segunda feira (06) em todo o Rio Grande do Sul. O movimento é uma reação ao parcelamento dos salários dos servidores públicos. A mobilização deve se manter até o dia 17.  Neste mês o governo do Estado adotou pagamento de salários dos servidores que recebem até R$ 2,5 mil.

As informações foram passadas pelo Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do Rio Grande do Sul (UGEIRM-Sindicato), que decidiu aderir à paralisação após assembleia com a categoria realizada no dia 1º de novembro em Porto Alegre. A decisão da Assembleia foi unânime e referenda a posição tomada pelos policiais em reuniões realizadas em várias cidades do interior.

Nesse primeiro dia de paralisação a recomendação para os servidores da Polícia Civil é comparecerem nas delegacias e acolherem todas as pessoas que procurarem a polícia, informando-os sobre a paralisação e atendendo todos os crimes contra idosos, crianças, mulheres e contra a vida.  Com esta greve, o estado já soma duas paralizações na Polícia Civil.  Em outubro, a greve durou oito dias.

O movimento grevista manterá os atendimentos de urgência e emergência no período que durar a greve, o que representa a manutenção 30% de cada órgão da PC, quando houver a necessidade de atuação pela emergência e urgência. O objetivo é garantir a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade. Casos envolvendo mulheres, crianças e idosos, além de latrocínio e homicídio continuam sendo atendidos.  

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas