Publicidade

Rural

Perdas no milho chegam a 15%

Falta de umidade reflete na produtividade do cereal

mmm.png
Por Rosa Liberman - rosa@jornalbomdia.com.br
Foto Izabel Seehaber

Os primeiros 20 dias de dezembro foram de escassez de chuva, com apenas 24mm em Erechim. Essa condição impactou na safra de verão que terá perdas na produtividade. A cultura do milho apresenta até o momento redução de 15% na produtividade e poderá aumentar quando iniciar a colheita.

No Alto Uruguai foram cultivados 32.215 hectares de milho grão e 14.120 hectares para silagem. De acordo com o agrônomo da Emater Regional Luiz Ângelo Poletto, a chuva registrada nos dias 23 e 24 minimizaram a situação, mas a expectativa inicial de produtividade não será atingida. “Do milho grão a produtividade esperada no início do plantio era de 8.160 quilos por hectare e agora estimamos uma perda de 15%. Os municípios em que as lavouras de milho foram mais afetadas são Áurea, Ipiranga do Sul, Quatro Irmãos, Barra do Rio Azul e Itatiba do Sul. As lavouras estão com 30% em fase de floração, 60% em enchimento de grãos e 10% em germinação de grão”, diz.

A última chuva significativa na região havia sido registrada no dia 26 de novembro, com 30mm e, depois disso foram 24mm até o dia 23 de dezembro. “O déficit hídrico é muito elevado. As perdas que tivemos não serão recuperadas, mas a precipitação pluviométrica dos últimos dias estagnou os danos”, diz. A chuva foi desuniforme, variando de 40mm a 110mm. A colheita começa em janeiro.

Já o cenário das áreas cultivadas com milho silagem está com 80% em fase de enchimento de grão pronto para colher e 20% em floração. “Estas não terão danos ocasionados pela falta de umidade”, acrescenta Poletto.

A soja está ocupando 243 mil hectares, sendo que 95% da área está em desenvolvimento e 5% em floração. O agrônomo comenta que a intensidade do sol somado ao déficit hídrico secou bastante o solo, mas a cultura é mais rústica e não apresenta danos. “A chuva de agora pode recuperar as plantas”.

De acordo com levantamento semanal realizado pela Emater, os produtores estão iniciando o monitoramento de pragas nas lavouras assistidas para tratamentos fúngicos. 

 

 

Publicidade

Blog dos Colunistas