Publicidade

Rural

Exportações do agronegócio gaúcho registraram alta em 2017

agronegocio.jpg
Por Assessoria de Imprensa
Foto Ebc/Divulgação

Após um início ruim, as exportações do agronegócio gaúcho fecharam 2017 com um aumento de 4,43% no valor comercializado na comparação com 2016. A recuperação foi tão expressiva, que pela primeira vez o mês de dezembro cruzou a barreira de 1 bilhão de dólares desde o início da série histórica, atingindo US$ 1,002 bilhão. Os dados estão no Relatório de Comércio Exterior do Agronegócio do Rio Grande do Sul, divulgado pela Assessoria Econômica do Sistema Farsul, na quinta-feira (18).

O primeiro semestre do ano foi marcado por preços internacionais baixos. A situação foi agravada pela variação cambial que também era desfavorável. Esse quadro acabou por gerar uma retração nas exportações com junho registrando -0,67%.  “A gente considerava que se fechasse no zero seria bom pois o resultado estava muito ruim”, comenta o economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz.

O cenário foi completamente alterado na segunda metade do ano. Com o crescimento da taxa de câmbio e o aumento dos preços internacionais as vendas deram um salto. “No segundo semestre os preços internacionais tiveram uma melhora substancial. Isso fez com que o mercado começasse a vender bem mais do que vinha vendendo. Tudo aquilo que foi represado no primeiro semestre foi comercializado no segundo, sobretudo a soja”, destaca Luz. A oleaginosa em grãos teve uma alta de 22,81%.

O resultado só não foi melhor em decorrência dos desempenhos da carne bovina (-4,55%) e do arroz (-6,36%).  “A queda na carne bovina se deu por conta da Operação Carne Fraca e as questões da JBS. Já o arroz teve preço da tonelada operando em preços muito baixos ao longo do ano, nos tirando competitividade”, compara o economista.

Outra questão levantada por Luz está na receita do produtor. “Como a taxa de câmbio está mais baixa do que em 2016, a receita em reais caiu 2,38%, fazendo com que ela acabe neutralizada. O que nós lamentamos, uma vez que os produtores fazem seus negócios em reais, não em dólares”, explica.

No volume também houve um crescimento nas exportações, com 10,03% e ultrapassando 20 milhões de toneladas. A China se manteve como principal comprador do agronegócio gaúcho em dezembro, sendo destino de 44,2% das vendas. Bem atrás aparece os Estados Unidos com 3,9% em segundo lugar, seguido pela Rússia, com 3,2%.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas