Publicidade

Ensino

Dia D movimenta escolas de ensino médio do Rio Grande do Sul

A quarta-feira (1°) foi dedicada a discussão curricular

Professores do ensino médio de todo o Estado participaram de discussões
Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

A quarta-feira (1°) foi de intenso movimento nas 1.081 escolas de Ensino Médio do estado para o Dia D, criado para que todas elas possam sugerir ideias e qualificar a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que desde o ano passado vem sendo discutida em todo o país. Todo o material será compilado pelo Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed) e encaminhado ao Ministério da Educação (MEC).

"A discussão, a contribuição ou até mesmo a contradição faz parte do processo democrático na construção de qualquer política pública. O Dia D do Ensino Médio foi o início para as contribuições por área do conhecimento. Este processo não se esgota no Dia D", afirmou a diretora pedagógica da Secretaria da Educação (Seduc), Sônia Rosa. Para que todas as escolas tenham chance de participar, as contribuições podem ser feitas até o dia 8. "Os profissionais têm a oportunidade de contribuir com o documento. Outros movimentos farão parte desta construção. A ideia é que as escolas pudessem efetivamente fazer parte do processo", acrescentou.

De acordo com a Divisão Porto Alegre (DPA), nas 72 escolas de Ensino Médio ocorreram diálogos sobre o Dia D em seu turno de funcionamento. Na área da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), com sede em São Leopoldo, são 87 escolas. No turno da manhã, mais de 60% delas participaram ativamente. As demais escolas se organizaram nos turnos tarde e noite, atendendo a proposta de trabalho. Na EEEM CAIC Madezatti, de São Leopoldo, os professores se reuniram para responder o questionário disponibilizado no site da Consed.

Na 12ª CRE, com sede em Guaíba, 39 escolas ofertam o Ensino Médio. Cerca de 70% delas realizaram o estudo da BNCC no dia de hoje, no turno da manhã. O restante, pelo fato de ofertarem o curso noturno, optaram por participar do evento no turno da noite. Nas escolas que já fizeram o estudo, os professores se dividiram por áreas do conhecimento e participaram com uma discussão acerca do documento da base e com as suas sugestões.

Na 8ª CRE, em Santa Maria, todas as 54 escolas de Ensino Médio participaram nesta quarta-feira. Os professores, como nas demais coordenadorias, foram divididos em grupos por área de conhecimento para analisar a proposta da base.

Nas Escolas de abrangência da 39 Coordenadoria Regional de Educação, em Carazinho, também ocorreram as discussões sobre a Proposta da BNCC - Base Nacional Comum Curricular para o Ensino Médio. "O 'Dia D' tem caráter formativo sobre o documento e ao mesmo tempo abre espaço para que os professores contribuam, indicando suas sugestões de melhorias para a educação", ressaltou a coordenadora Sandra Guerra.

"A participação de toda a comunidade escolar é importante para que todos possam ser sentir incluídas no processo, sem qualquer tipo de problema", lembrou a assessora do Ensino Médio do Departamento Pedagógico (DP/Seduc), Adriana Schneider. Foi a terceira edição do Dia D no estado. As duas primeiras trataram da implementação da BNCC na Educação Infantil e Ensino Fundamental, e a terceira tem como foco o Ensino Médio.

Sobre a BNCC

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) foi homologada em 20 de dezembro de 2017 para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental, e mesmo antes disso já vinha sendo divulgada. Ela serve como referência para a construção e adaptação dos currículos de todas as redes de ensino do país. As redes e escolas seguem com autonomia para elaborar, por meio do currículo, seus documentos (Projeto Político-Pedagógico, Planos de Estudos e Plano de Aula), incluindo elementos da diversidade local e apontando como os temas e disciplinas se relacionam. A BNCC e os currículos têm, portanto, papeis complementares: a Base dá o rumo da educação, mostrando aonde se quer chegar, enquanto os currículos traçam os caminhos.

Referencial Curricular Gaúcho

Com o objetivo de criar uma base comum curricular integrada entre as redes municipal, estadual e privada, a Seduc, por meio do Departamento Pedagógico, busca junto à União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação (Undime) e o Sindicato do Ensino Privado no Rio Grande do Sul (Sinepe), a criação do Referencial Curricular Gaúcho. Com previsão de consolidação ainda em 2018 e implantação em 2019, o novo projeto visa agregar temáticas regionais como história, cultura e diversidade étnico-racial, de forma complementar à Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Inicialmente, a ideia é que estas mudanças ocorram na Educação Infantil e no Ensino Fundamental.

Publicidade

Blog dos Colunistas