Publicidade

Rural

Tempo de plantar

Contrariando tendência histórica Erechim tem aumento de 20% na área cultivada

Produtor espera colher no mínimo 180 sacos por hectare
“Quem não investir na lavoura, hoje, tem prejuízo”, afirma Erol Andreolla
Houve um acréscimo de 20% na área plantada em Erechim, observa extensionista da Emater Josiane Roman
Gabriel, filho de Erol, já participa ativamente das atividades com o pai
Por Ígor Dalla Rosa Müller
Foto Ígor Dalla Rosa Müller

O plantio do milho gradativamente vai avançando no Alto Uruguai. Em alguns casos como Aratiba já foi plantado 5% de sua área estimada. A previsão, segundo a Emater/Ascar, é que a cultura tenha cerca de 40.480 hectares cultivados para grãos e 15.370 hectares para silagem. Em Erechim, contrariando a lógica dos últimos anos, a área destinada para milho aumentou cerca de 20%. No ano passado houve o plantio de 1100 hectares da cultura para grão em Erechim e neste ano a projeção é 1320 hectares.

Produtor

O produtor da Linha Montanha Alegre em Erechim, Erol Vicente Andreolla, toda sua vida é dedicada à agricultura e á produção de alimentos. Em uma área de 280 hectares ele cultiva milho, soja e trigo. Nesse ano, Erol vai plantar 58 hectares de milho. O experiente produtor realiza o plantio no começo do zoneamento agrícola, porque a sua terra está localizada em uma área alta que favorece essa antecipação, e o clima sempre ajuda a ter uma boa produção.

Erol sempre planta milho por causa da rotação de cultura, pra ele é muito importante diversificar as culturas e os resultados já aparecem tanto no milho quanto na soja. “É muito importante fazer a rotação de cultura, em anos normais, aumenta o rendimento no mínimo uns 10% a mais em cima da lavoura, tanto no milho quanto na soja”, explica.   

O agricultor segue uma programação todos os anos, intercalando entre soja, milho e trigo. “A cada três anos planto trigo. No próximo, aqui vai ser trigo de novo”, observa.  

A expectativa do produtor é colher no mínimo 180 sacas por hectare. “A gente investiu bastante na lavoura, para aproveitar o terreno, e tudo que coloca a mais tem rendimento maior em cima da mesma área”, salienta.

Segundo Erol, para ter uma boa lavoura tem que investir, fazer análise de solo e fazer uma adubação de qualidade. “Quem não investir na lavoura, hoje, tem prejuízo”, destaca.

O produtor segue uma prática, daqui uns meses, depois de colher a safra, uma parte da produção é vendida para pagar os custos e o restante é guardado para esperar o melhor preço de mercado. “Se tudo der bem espero colher uma grande safra de milho”, enfatiza.  

Erol acredita que a tendência na região é concentrar cada vez mais o cultivo de grãos em poucos agricultores, os pequenos produtores de grãos já não plantam mais e estão arrendando as terras. “Já está acontecendo, cada vez mais porque o lucro é pequeno, aí tem que produzir em grande quantidade para poder conseguir dar a volta”, explica.

Assistência Técnica

Segundo a extensionista da Emater municipal Josiane Roman, no ano passado a área destinada ao plantio de milho para grão foi de 1100 hectares em Erechim. Nessa safra, a projeção é que sejam plantados 1320 hectares, um acréscimo de 20%, contrariando a tendência histórica, que vinha estagnada. Já para silagem será plantado cerca de 800 hectares.

Josiane ressalta que é muito importante o produtor plantar milho para fazer a rotação de culturas, contribuindo assim para diminuir a incidência de doenças e melhorar a qualidade do solo.

A extensionista da Emater destaca que o preço da saca de milho está variando entre R$36 e R$37, e se manter esse valor é bom para o produtor. “Logicamente, que os insumos também subiram, o custo médio está em R$2500 o hectare em Erechim”, observa. Assim, é necessário em torno de 70 sacas só para pagar o custo. Josiane observa que a produção média de Erechim já está em mais 150 sacos por hectare, chegando a 180 sacos em alguns produtores.  

Conforme Josiane, o milho é muito importante também para a produção de leite, suínos, aves e alimentação dos animais para manutenção familiar. No entanto, falta milho em Erechim, que tem que vir de fora. “Precisaria aumentar a área de milho para suprir a necessidade local”, afiram. Além disso, com as cooperativas fomentando a implantação de suínos e aves a necessidade pelo grão aumenta. “Quanto maior for a produção de milho, menos se precisará comprar de fora”, explica.

A técnica agrícola recomenda ao produtor que quiser aumentar a área de milho deve fazê-lo gradativamente. O zoneamento agrícola para plantio de milho inicia no final de agosto, mas os produtores aguardam a primeira quinzena de setembro para intensificar o plantio.

Clima

Segundo o observador meteorológico da Embrapa Trigo Ivegndonei Sampaio, apesar do calor na região dos últimos dias, que predomina desde o dia 5, ele começa a perder força a partir da próxima quinta-feira (13) devido à chegada de uma área de instabilidade na região, provocando chuvas em forma de pancadas com trovoadas e ventanias com rajadas de fraco a moderado.

Segundo a previsão estendida, explica Sampaio, vai chover até domingo, ficando as temperaturas mínimas entre 10 e 12 graus e as máximas entre 22 a 24 graus. “Depois da chuva não vem frio. Esse ano está descartado, por enquanto, as geadas tardias. No mês de setembro as chuvas vão ficar acima da média”, observa. Sampaio acrescenta que até o dia 20 de setembro se terá mais dias de chuva do que com céu limpo. A primavera inicia dia 22 e vai até 21 de dezembro.  

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas