Publicidade

Rural

Laranjas do Futuro : potencial produtivo reflete em desenvolvimento à agricultura familiar

Resultados agradam investidores que estão otimistas com o trabalho desenvolvido na região. Safra deste ano foi três vezes maior e a estimativa é chegar a 12 mil toneladas

Investidores em visita ao Bom Dia
Por Izabel Seehaber
Foto Izabel Seehaber

O Jornal Bom Dia recebeu na manhã de ontem (5) a visita do presidente da Cooperativa Central de Comercialização da Agricultura Familiar e Economia Solidária – Cecafes, Roberto Luis Balen, o gerente da empresa suíça Firmenich, André Tabanez e o coordenador de projetos e compras da Bio Citrus, Paulo Roque Kunrath. Os profissionais estão envolvidos no projeto Laranjas do Futuro, que garante a comercialização da fruta produzida na região Alto Uruguai.

Segundo Roberto, ao avaliar a fase do projeto, houve uma evolução muito significativa nos últimos anos no que se refere ao volume de produção. A safra deste ano está 97% concluída e já foi entregue à Bio Citrus.

Ele recordou que no início das atividades, em 2016, foram entregues 1.200 toneladas de laranjas. Já em 2017 foram 3.800 t e neste ano a estimativa é chegar a 12 mil toneladas. “Um crescimento significativo e que demonstra a confiança do produtor, o que é fundamental para que possa haver investimentos em pomares na região. Os produtores estão felizes, os resultados estão gerando riqueza para a agricultura familiar e nós pretendemos qualificar ainda mais a produção”, ressaltou. 

Conforme o presidente, também é preciso melhorar alguns aspectos como a gestão nas propriedades. “Atualmente, considerando que a laranja não é a atividade principal, é preciso fazer um trabalho para fomentar o potencial que a fruta possui e por consequência, o retorno financeiro que ela apresenta e nem sempre é percebido por todos os produtores”, salientou.

A região Alto Uruguai possui as condições, inclusive climáticas, para a produção da laranja. Tanto que especialistas já afirmaram que a coloração e o sabor são considerados de referência em todo o mundo.

André Tabanez destacou a importância da parceria com a Cecafes e o envolvimento dos produtores com o projeto. “Entre os fatores fundamentais por parte dos produtores é esse comprometimento, a intensificação do cuidado nos pomares, a ampliação de áreas e essencialmente a valorização do trabalho com a produção de laranjas”, pontuou.

Do mesmo modo, Paulo Roque salientou que a parceria com a Cecafes é de fundamental importância. “Nós pretendemos continuar absorvendo essa produção de laranjas da região, incentivando através das cooperativas, que a produção de laranjas se torne a principal renda das propriedades”, comentou. 

Para o futuro, de acordo com os investidores, a expectativa é o fortalecimento do “polo da laranja” da região. “Uma das razões pelas quais a empresa acreditou no projeto, foi o fato da produção estar na época estagnada e acredito que, diante do que está sendo observado, possamos ter um desenvolvimento ainda mais expressivo”, reforçou.

Atualmente as laranjas são encaminhadas para Montenegro, aonde são processadas e depois encaminha o material para a Firmenich que produz fragrâncias e aromas para empresas de produtos cosméticos, de limpeza, entre outros, para todo o mundo.

São Paulo recebe em torno de 98% da produção do próprio Estado. Contudo, o mercado está sendo diversificado, pensando principalmente na questão da qualidade do produto. “A maior parte da laranja produzida na região é da variedade Valência, que gera um óleo de muita qualidade. Além disso, em torno de 60% dos produtores não aplicam tratamentos químicos. Sendo assim, o nível de contaminação por agrotóxico também é baixo”, explicou André.

Para confirmar tal qualidade, está sendo realizada nestes dias uma avaliação de amostras com laranjas especificamente da região. O resultado deverá ser apresentado no futuro próximo e o Bom Dia acompanha esse trabalho, trazendo, em breve, as expectativas por parte dos produtores.

 

 

 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas