Blog do A Voz da Diocese

Bispo.jpg

Violência e dignidade

Por A Voz da Diocese

Dom José Gislon
Bispo Diocesano de Erechim

 

Estimados diocesanos! A quaresma é um tempo especial na vida do cristão. Ele nos fala de compaixão e conversão a partir do olhar da misericórdia de Deus. Nesta quaresma, a Campanha da Fraternidade com o tema: "Fraternidade e superação da violência", nos convida a olharmos a realidade social e fraterna que faz parte da nossa vida pessoal, familiar e comunitária.
A violência que assola o nosso país não pode ser vista ou entendida como uma realidade que atinge só a vida do outro, a cidade vizinha, ou aquela realidade que está bem distante da minha vida ou do lugar onde vivo. Deve ser considerada como um fato que atinge a todos nós em contextos muitas vezes isolados, mas também como comunidade. A atitude de indiferença não pode estar no coração de quem tem fé e acredita em Deus como fonte originária da vida. 
No próximo dia 8, quinta-feira, estaremos comemorando o Dia Internacional da Mulher. Uma das formas mais perversas da violência, que tem crescido muito em nosso país, ocorre contra a mulher dentro do próprio lar. Como pode haver dignidade de vida numa família, se a mãe que representa a ternura, que acolhe a vida, é a que sofre violência? A agressão contra a mulher é um dos casos em que parece explicitar-se o caráter cultural da violência que atinge a nossa sociedade. Soma-se a isso um fator cultural ainda bastante arraigado, nos centros urbanos e nas realidades mais remotas do nosso país, de que a mulher é um ser visto mais como propriedade do marido ou do parceiro do que pessoa com  sua dignidade e seus direitos a serem respeitados também perante a lei.
A violência doméstica, perpetrada contra a mulher, mãe e irmãs, tende a propagar nos filhos a mentalidade de que agredir a "mulher" é normal, uma forma de dominar pela violência e pelo medo, que impõe o silêncio a quem é agredido, tornando-o refém de um círculo vicioso que oprime a vida e a dignidade da vítima. Quando isso acontece e a pessoa agredida não tem a coragem ou os meios para fazer a denúncia, acaba tornando-se prisioneira na sua própria casa, no lar que um dia sonhou em construir para ser um espaço de amor, de compaixão para acolher e proteger a vida com a sua dignidade humana e divina. 
Tende todos um bom domingo.

 

Leia também

  • Do silêncio do deserto, a voz da esperança

    A vida merece ser celebrada nos fatos da história que fazem parte da nossa realidade, mas também nos pequenos acontecimentos do cotidiano da vida, que não são publicados nos meios de comunicação, porém marcam profundamente a nossa existência familiar e pessoal.

  • A caridade, rainha das virtudes sociais

    Estimados diocesanos! A vida oferece a cada um de nós inúmeras oportunidades para fazermos o bem, através de pequenos gestos de caridade, que expressam amor e gratidão

Blog dos Colunistas

Publicidade

Horóscopo

Capricórnio
22/12 até 20/01
O momento prioriza o autoconhecimento e a...

Ver todos os signos

Publicidade