Publicidade

Geral

Atingidos por barragens realizarão Assembleia na Bacia do Rio Uruguai

250px-Rio_Uruguai.JPG
Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

No dia Internacional de Luta Contra as Barragens, pelos Rios, pelas Águas e pela Vida (14), se realizará em Aratiba – RS a Assembleia dos Atingidos por Barragens da Bacia do Rio Uruguai. Participarão da assembleiaapoiadores, religiosos, deputados, prefeitos e vereadores e atingidos pelas barragens de Itá, Foz do Chapecó, Machadinho, Campos Novos, Barra Grande e São Roque, para além dos ameaçados pela barragem de Itapiranga e atingidos da barragem de Salto Santigo do Paraná.

A assembleia é uma das atividades que marcarão a Jornada de Luta dos Atingidos por barragens no Sul do país. Na atividade, os atingidos discutirão sobre as graves violações dos direitos sociais, econômicos, culturais e ambientais causadas pelo setor elétrico. Também será apresentado um panorama das altas taxas de lucro das empresas transnacionais (donas das barragens) que se apropriam das riquezas naturais das regiões e remetem todos os lucros para fora do Brasil.Dentre essas transnacionais está a Engie (Tractebel) da França, que é acionista de todas as barragens citadas acima.

A Engie é uma transnacional que atua em vários ramos, mas principalmente com a apropriação da água e energia nos países subdesenvolvidos. Sua atuação pelo mundo é marcada por violações de direitos humanos, sendo que ela também é uma das donas da barragem de Jirau em Rondônia, que atingiu Nicinha, liderança do MAB assassinada em 2016.

Outra discussão da Assembleia será o CFURH (Compensação Financeira pela Utilização de Recursos Hídricos), popularmente chamada de Royalties das barragens, que são impostos taxados das hidrelétricas e que não são revertidos em projetos de desenvolvimento e de reparação de danos para os atingidos. No ultimo período o sistema dos Royalties vem passando por alterações, como ocorreu em 2016, onde o governo Temer diminui em 30% da sua taxação, aumentando os lucros das donas das barragens. E também com PLC 315/2009 que vem tramitando no Congresso, se prever mudanças na porcentagem dos repasses dos Royalties para os municípios,que passariam a receber 65% do repasse, invés de 45%.

Para além da apresentação de dados e informações, na assembleia os atingidos colocarão seus depoimentos de como está a situação de violações de direitos nas regiões que vivem. Após a Assembleia todos os presentes sairão em caminhada até o lago da hidrelétrica de Itá e fixaram uma cruz que representa a morte do Rio Uruguai e das comunidades, mas ao mesmo tempo que demostra a resistência e indignação com a situação que as barragens impuseram na bacia do rio Uruguai.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas