Publicidade

Esportes

Erechinense é a quarta melhor atleta de karatê da América

Cristiane Babinski
Por Assessoria de Imprensa
Foto Divulgação

A erechinense de Karatê, Cristiane Babinski, consagrou-se a quarta melhor atleta de karatê da América no Campeonato Panamericano de Karatê JKA que aconteceu em Lima no Peru. A atleta conquistou o título na modalidade de Kata Individual, também conquistou o Bronze em Kumitê por Equipe e o Brasil conquistou o título de campeão geral do campeonato Panamericano, sendo o país que mais conquistou títulos nesta competição. Cristiane representou a Seleção Brasileira de Karatê JKA, o estado do Rio Grande do Sul, a cidade de Erechim e equipe Onna Bugeisha.

Cristiane relata “Aprendi muito com este campeonato, adquiri muita experiência e lutei contra atletas que admiro muito, volto deste campeonato com o sentimento de dever cumprido e a certeza de ter dado o meu melhor, sigo em frente com meus objetivos e com muito foco em meus treinamentos”.

A atleta agradece as pessoas que apoiam e admiram o Karatê “Agradeço a minha família por terem me colocado neste caminho tão incrível, agradeço a todas as pessoas que torcem por mim e me enviam energias positivas em cada campeonato, saibam que faço tudo que está ao meu alcance para representa-los da melhor maneira possível”.

Cristiane recebe o apoio de Dankana Kimonos, Oralle Odontologia, Academia Well Fit, Estética e Massoterapia Rejane Araújo, Nutricionista Nadieli Bogoni, Bruna Todeschini Fotografia, Farmácia Comunitária e Prisma Serigrafia.

Cristiane segue seu calendário competitivo e irá atuar como técnica de sua equipe no Campeonato Regional de Karatê na cidade de Pelotas e no próximo final de semana dia 22 ministrará o VI Curso Feminino de Karatê na cidade de Porto Alegre – RS, o evento é aberto para todas as mulheres praticantes de Karatê de todas as instituições. De acordo com Cristiane este curso é muito importante para valorizar a presença feminina nas artes marciais “Convido todas as mulheres praticantes de Karatê para participarem do curso feminino e mostrarmos a importância desta prática para mulheres, sendo que por muito tempo o Karatê foi considerado uma arte marcial exclusivamente masculina, hoje as mulheres lutam por mim espaço e valorização dentro do Karatê”.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas