14°C
Erechim,RS
Previsão completa
0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Região

Gaurama: importante é se vacinar, não interessa a marca

“Não é para escolher. No momento em que estamos, quanto mais pessoas se vacinarem, melhor”, afirma a infectologista, Sylvia Lemos, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI)

teste
Divulgação
Por Da redação
Foto Divulgação

A infectologista, Sylvia Lemos, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), afirma que a rejeição das pessoas contra algumas vacinas é fruto da desinformação e que isso pode atrapalhar a imunização. “Não é para escolher. No momento em que estamos, quanto mais pessoas se vacinarem, melhor. Isso é importante para que possamos ter mais de 70% ou 80% da população atendida. Assim, uma pessoa protege a outra”, defende. A seguir, informações sobre as diferenças das vacinas. 

CoronaVac (Butantan/SinoVac)

Produzida pela farmacêutica chinesa SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, a CoronaVac recebeu a autorização de uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Para confecção da vacina, o Sars-CoV-2 é inativado com uso de substâncias químicas e se torna incapaz de causar a Covid-19. Em seguida, há adição de hidróxido de alumínio à solução, o que induz a produção de anticorpos em quem recebe a dose. Ela precisa de duas doses, com o intervalo entre 14 e 28 dias, para ter eficácia total. Cerca de duas semanas depois da aplicação do reforço, a imunização está completa.

Oxford/AstraZeneca (Fiocruz)

Vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e fabricada pela biofarmacêutica sueca AstraZeneca. No Brasil, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) é parceira na produção do inoculante e recebe o insumo farmacêutico ativo (IFA) da empresa. A vacina usa uma tecnologia chamada vetor viral e é confeccionada a partir de um adenovírus de chimpanzés. O composto é manipulado para inserir no código genético o gene da proteína spike (S), presente no novo coronavírus. Assim, o micro-organismo perde a capacidade de se multiplicar no corpo humano e de provocar a doença. Depois de um processo químico, essa solução compõe a vacina, estimulando a resposta imunológica do organismo contra a proteína S, na forma de anticorpos e células T. O imunizante também requer dose dupla para completar a proteção. O intervalo entre as aplicações é de três meses.

Pfizer/BioNTech

O imunizante da farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com o laboratório alemão BioNTech, requer aplicação de duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas. A vacina usa a tecnologia do RNA mensageiro (mRNA), por meio da qual um trecho do material genético do vírus que corresponde à proteína spike (S) é manipulado em laboratório de forma sintética, empacotado em uma molécula e incorporado à vacina. Quando aplicada, ela induz o corpo a produzir essa proteína, desencadeando, também, uma resposta imunológica do organismo.

Conclusão

“Todas as vacinas têm rigorosos testes e estão aprovadas pelos órgãos competentes. Não deixe de se proteger ou proteger as pessoas que você ama por desinformação.  De acordo com os dados, na prática, a eficácia de 50% significa que quem não tomar a vacina terá o dobro de chances de desenvolver a covid-19 caso pegue o vírus”, explica à BBC News Brasil o médico Marcio Sommer Bittencourt, do Hospital Universitário da USP.

Não vacinados que adoeçam também terão cinco vezes mais chance de precisar de atendimento médico. "E não temos certeza ainda, mas tudo leva a crer que a diminuição nos casos graves e mortes deve ser nessa mesma proporção", explica Bittencourt. Não importa a marca, o importante é se vacinar.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas