Euro R$ 3,82 Dólar R$ 3,22

Publicidade

Estado

Edegar Pretto destaca necessidade de ampliar o Susaf na abertura oficial da Feira da Agricultura Familiar

Por Marcelo Antunes/AL
Foto Caco Argemi

"Não é justo que a cada edição da Expointer o governador do estado baixe um decreto liberando a saída das agroindústrias de seus municípios para que possam comercializar seus produtos fora dos limites de suas cidades. E depois de uma semana, ao final da feira, esses produtores sejam obrigados a retornar e novamente terem suas vendas restritas aos municípios de origem. O Susaf vem justamente preencher essa lacuna", destacou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Edegar Pretto (PT), no ato de abertura oficial da 19ª Feira da Agricultura Familiar, no último sábado (28), na 40ª Expointer.

Edegar fez referência ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, lei de sua autoria aprovada em 2011, que, a partir de certos regramentos junto aos municípios e à Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação possibilita às agroindústrias familiares, que produzem alimentos de origem animal, vendam sua produção em todo território gaúcho. Atualmente 21 prefeituras, com seus respectivos serviços de inspeção aderiram ao Sistema, totalizando 34 empreendimentos cadastradas. Outras 208 localidades gaúchas já solicitaram adesão ao sistema. "A nossa luta tem sido no sentido de possibilitar ao agricultor familiar fazer a cadeia completa, da produção à comercialização. Normalmente o pequeno produz e planta e entrega para a grande indústria fazer a melhor parte, que oferece maior lucro, ou seja, industrializar e vender a produção.

Para Edegar, o maior desafio para ampliar o número de empreendimentos com o selo do Susaf é fazer com que as prefeituras façam um pequeno investimento para a regulamentação de seus serviços de inspeção (contratação de técnicos e formação de equipes) e o governo estadual confira maior agilidade aos processos burocráticos necessários.

Na opinião de Jones Zucolotto, representante da Via Campesina, "tanto o pavilhão quanto a qualidade e variedade dos produtos expostos mostram que a reforma agrária faz sentido" para toda a sociedade. "Hoje os trabalhadores e trabalhadoras vinculados ao MST são responsáveis pela maior produção de arroz orgânico da América Latina", destacou. A Via Campesina representa mais de duas mil famílias de pequenos agricultores assentados e 5 cooperativas.

O pavilhão que abriga os estandes da agricultura familiar tem sido nas últimas edições da Expointer o mais visitado pelo público no Parque de Exposições Assis Brasil. Atualmente são 198 expositores. Em 1999, ano da primeira feira, participaram 30 expositores em uma estrutura provisória instalada depois da área dos animais. Em 2004, o governo Lula, através do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), assinou um convênio com o governo gaúcho e destinou R$ 859 mil para a construção do pavilhão permanente com 2,2 mil metros quadrados, sendo R$ 715,9 mil de recursos do Pronaf-Estrutura e R$ 143 mil de contrapartida do estado.

A abertura oficial da Feira contou ainda com as presenças do governador José Ivo Sartori, secretários de estado, representantes do Ministério da Agricultura, Fetag, Fetraf e MPA.

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas