Euro R$ 3,82 Dólar R$ 3,25

Publicidade

Região

Conferência em Cruzaltense propõe diretrizes para educação

Por Assessoria
Foto Divulgação

Professores, pais, alunos, secretários municipais e integrantes de diversos conselhos como o Conselho Tutelar e da Educação se reuniram na terça-feira (6) para avaliar e propor diretrizes para o Plano Municipal de Educação de Cruzaltense, durante a primeira Conferência Municipal de Educação. A base para as discussões foi o Plano Municipal de Educação, composto por 20 metas, instituído em 2015, que passou por monitoramento em 2016 e agora foi avaliado.  Entre as metas está a erradicação do analfabetismo, a melhoria nos índices do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), a valorização dos professores, melhorias na qualidade e ampliação da oferta de Educação Infantil, entre outros.

De acordo com a assessoria de comunicação do Executivo, muitas das metas já foram atingidas antes do prazo estabelecido. “Um exemplo é o plano de carreira dos professores, já implantado. Os professores também têm direito a 1/3 da carga horária para preparação das aulas e planejamento. Na Educação Infantil, o município já atende crianças a partir dos três anos e antes do prazo final estabelecido estará atendendo também as crianças de zero a três anos. A supervisora educacional, Alessandra Baruffi, ressalta que as metas servem para  a rede municipal e estadual de ensino”.

Depois do relatório, os participantes se reuniram em grupos para avaliar e listar as sugestões dentro de cada eixo do plano. Entre as sugestões apresentadas e aprovadas pela plenária estão:  turno integral para a Educação Infantil; implantação de laboratório de Ciências; testes vocacionais para os alunos do 9º ano; diagnóstico do número de jovens de 15 a 17 anos que estão fora da escola no município e ações para inserir estes jovens; campanhas de mobilização para incentivar os adultos a voltar a estudar, entre outros.

A agricultora Eliane Avozani, mãe de uma aluna da rede municipal de educação disse que “a possibilidade que se abre para os pais participarem e darem sugestões é fundamental para a gente construir a escola que queremos para os nossos filhos”. Para a professora Ivane Pasa a conferência proporcionou “um resgate do que já foi realizado e um olhar para os desafios”. Para ela, a participação dos pais e dos alunos estende a discussão sobre a educação para toda a comunidade. “Isso é importante porque capacita os alunos e os desafia a pensar a educação junto com o município”.  

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas