Euro R$ 3,85 Dólar R$ 3,26

Publicidade

Tecnologia

Cinco Motivos para pais e educadores apoiarem o uso dos games

Por Divulgação
Foto Divulgação

Mega eventos recentes no Brasil reacendem o papel dos jogos na vida dos jovens. A 10° edição da Brasil Game Show (BGS), a maior feira de games da América Latina, aconteceu em outubro na cidade de São Paulo. No ano de 2016 participaram do evento mais de 300 mil jovens. A expectativa para este ano foi ultrapassar 400 mil brasileiros. Além da BGS, os paulistas também receberam a maior exposição de vídeo game do país, O Museu do Vídeo Game do curador Cleidson Lima, que aconteceu também em Outubro.

O que esses dois eventos têm em comum? Além de ambos levarem mais de meio milhão de pessoas para visitá-los, seja para jogar games exclusivos ou relembrar os consoles do passado, revelam que a tecnologia modifica não somente as nossas relações sociais mais também a forma como aprendemos. Captar a atenção do jovem, com tantos meios digitais, parece ser uma tarefa árdua para pais e professores.

A solução então é proibir o uso do vídeo game? Augusto Jimenez, psicólogo e educador há mais de 10 anos na rede Minds Idiomas, mostra exatamente o oposto. "Os games vieram para ficar desde o Atari Pong – primeiro console doméstico da Atari- a jogos que ainda nem foram lançados oficialmente como Need for Speed. Proibir a criança ou o pré-adolescente de ter interação por meio desses jogos é limitá-los de fazer parte do grupo de amigos e ainda diminuir a capacidade de atenção visual seletiva deste jovem", explica o psicólogo Jimenez.

Os 05 motivos

Pensando nisso, Augusto Jimenez lista 5 motivos para os pais e gestores educacionais apoiarem o uso do vídeo game dentro e fora da sala de aula:

1)  Profissões digitais são as que mais empregam no país e no mundo
Já há graduações como Jogos Digitais, Design e Planejamento de Games em algumas faculdades do Brasil. Para ter ideia a remuneração nesta área vai de R$ 4 mil a R$ 20 mil, segundo a instituição de ensino Impacta. Os estudantes podem atuar como programador, Game designer, entre outros. E isso tudo começa na infância\adolescência. Logo, os pais podem limitar a quantidade de horas que os filhos jogam, mas jamais proibir. A tecnologia veio para ficar e uma diversão como os games pode ser o futuro profissional do seu filho (a).

2)   Jogar vídeo game eleva a atenção visual das crianças
O estudo foi feito pela Universidade de Rochester, e publicado na revista Nature nos Estados Unidos. Ele comprovou que pessoas que jogam vídeo game aumentam a capacidade seletiva visual e tendem a ser mais rápidos na tomada de decisão. Há muitas empresas, do mundo todo, que usam desde vídeo games a jogos de tabuleiro em seus processos seletivos para checarem a atenção e personalidade do candidato.

3)    Aguça  o  instinto  de  investigação
Quando os professores unem educação com games cria-se o processo conhecido como gamification. “Trata-se da captação de conhecimento por meio dos jogos. “Há 2 anos desenvolvemos essa técnica na Minds e os nossos alunos mudaram de nível 30% mais rápido”, diz o psicólogo Jimenez. Segundo o instituto Buck de educação, quando se cria um jogo envolvente concomitantemente o estudante desenvolve uma necessidade de saber. Isso faz com que ele assimile o conhecimento de forma mais orgânica, leve.

4)   Estreita laços entre pais e filhos
Andando pela Brasil Game Show era possível identificar pais e filhos, diferentes gerações, e uma paixão que os une. O amor aos games. A vida profissional dos brasileiros exige muito dos pais e mães, e reservar uma hora diária para jogar com os filhos estreitará laços. Os pais, dessa forma, estarão fazendo parte de algo que os filhos têm apreço e ainda podem se divertir juntos.

5)  Vídeo  game  não  é  sinônimo  de  sedentarismo
Há games como Just Dance e Guitar Hero que provam isso. Crianças e jovens perdem gordura dançando e tocando instrumentos. Além disso, esses jogos estimulam a interação com outras crianças. O que gera o sentimento de pertencimento de grupo.

Leia também

Publicidade

Publicidade

Blog dos Colunistas