Publicidade

Estado

Estado recebe representantes de Israel para debater tecnologias na área da Segurança Pública

asas.jpg
Por Governo do RS
Foto Divulgação

Tecnologias avançadas e aparelhos modernos de prevenção e combate à criminalidade foram temas de uma reunião de trabalho que ocorreu nesta quinta-feira (11), na Secretaria da Segurança Pública. A convite do secretário Cezar Schirmer, o chefe do Departamento Econômico da Embaixada de Israel no Brasil, Alex Bekker, e o diretor da empresa International Security & Defence Systems (ISDS), Omer Gleser, apresentaram as principais novidades no mercado tecnológico. 

A ISDS foi a empresa escolhida para atuar durante os Jogos Olímpicos que ocorreram em 2016 no Rio de Janeiro. “Sabemos que a experiência de Israel na área de tecnologia e prevenção é muito rica. Essa troca de informações representa a vontade do RS de avançar e aprimorar suas tecnologias para reforçar, cada vez mais, a segurança de sua população”, afirmou Schirmer.

O secretário iniciou as atividades apresentando um diagnóstico criminal do Brasil e, principalmente, do Rio Grande do Sul. Ele destacou o trabalho de prevenção das forças policiais com jovens e crianças. Além disso, abordou os esforços que o governo do Estado vem fazendo para integrar, cada vez mais, os órgãos de Segurança Pública. “Implantamos o Sistema Integrado de Segurança com Municípios (SIM/RS) em abril de 2017, que prevê, entre outros eixos, a união de tecnologias para, de forma inteligente, dar respostas rápidas após uma ocorrência e até evitar possíveis crimes”, disse.

O diretor da ISDS cumprimentou a SSP pelo trabalho e destacou o interesse em ser parceira do governo do Estado. “Conhecer a realidade da população me interessa muito. Adianto que fico feliz em saber desse trabalho conjunto, pois viajo para muitos lugares e quase nenhum estado tem noção do quanto essa atitude se torna um fator determinante para reduzir seus índices de violência”, declarou. 

Para Omer Gleser, mais importante que a instalação de aparelhos altamente modernos é o conhecimento aprofundado do problema que o órgão deseja combater. “Temos diversos tipos de aparelhos e tecnologias, mas é preciso saber quando e para que utilizá-las. O RS se mostra muito preparado e consciente sobre seus problemas, buscando as melhores formas para combatê-los”, disse Gleser.

Entre as diversas tecnologias apresentadas, um dos destaques foi o sistema de vídeo analítico com reconhecimento facial, que permite identificar um suposto foragido, por exemplo, sem a necessidade de um servidor que manipule o aparelho 24h. “O reconhecimento de objetos de forma separada é extremamente interessante. O sistema é tão inteligente, que se eu selecionar que preciso encontrar um suspeito de camiseta laranja, eu consigo definir isso no sistema”, explicou.

Além disso, é possível apontar comportamentos considerados 'estranhos'. “Se alguém deixar uma mala em uma via e seguir caminhando, o sistema me aponta. Outro exemplo é alguém correndo em uma rua onde se deve estar caminhando”, disse. Após detectar a atitude suspeita, o sistema envia um alerta para o computador selecionado. A partir daí, o órgão de segurança executa a ação padrão para cada situação. 

Gestores dos departamentos de inteligência da secretaria também falaram sobre o funcionamento das suas pastas, como o Departamento de Comando e Controle Integrado (DCCI), o Observatório de Segurança e o Departamento de Inteligência e Estratégia (DIE). Em 2017, por meio das câmeras de videomonitoramento foi possível prender 150 pessoas, além da consulta de mais de 32 mil veículos. “Nossas câmeras possuem uma tecnologia bastante avançada, mas é bom termos o conhecimento de que podemos aprimorar esse trabalho, aumentando o número de prisões e abordagens e, consequentemente, a efetividade da atuação das polícias”, afirmou a diretora-adjunta do DCCI, delegada Simone Viana Chaves. 

O tenente-coronel Adenir Brito, da Divisão de Tecnologia e Comunicação (DTIC) abordou o cercamento eletrônico do Estado, projeto que vem sendo trabalhado com os municípios a partir do SIM/RS. “Estimamos que a partir disso, será possível ter um histórico do deslocamento de veículos pelo RS. Acreditamos que será uma importante ferramenta de investigação para a Polícia Civil, além de permitir que retiremos das ruas um maior número de carros roubados”, disse. 

Após a reunião, os representantes de Israel conheceram o Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR). Equipado com 540 câmeras espalhadas pela capital e Região Metropolitana, o CICCR está localizado na sede da SSP, no DCCI. As câmeras funcionam de maneira ininterrupta e são supervisionadas pela equipe de operadores, composta exclusivamente por policiais. 

Publicidade

Blog dos Colunistas