Publicidade

Política

MDB lança Sartori à reeleição no RS

Sartori garantiu que é possível criar uma solução viável e concreta para tirar o Estado da crise
Por Assessoria
Foto Luiz Chaves/Divulgação

O Movimento Democrático Brasileiro (MDB) oficializou, neste domingo, 5 de agosto, a candidatura de José Ivo Sartori à reeleição como governador do Rio Grande do Sul. Os emedebistas aprovaram com 95% dos votos a composição com José Paulo Cairoli (PSD), como vice de Sartori, e José Fogaça (MDB) e Beto Albuquerque (PSB), como candidatos ao Senado. Completam a coligação O Rio Grande no Rumo Certo PR, PSC, PATRI, PRP, PMN e PTC. A convenção estadual do MDB reuniu cerca de três mil pessoas e ocorreu no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre.

Aclamado pela militância de 417 municípios, Sartori afirmou: “Um filho não vira as costas para a sua família”. Com essa frase, ele reforçou que, com a candidatura, atende a um compromisso com o partido. “Estou pronto para a luta e cheio de energia e de vontade”, destacou.

Sartori ainda ressaltou a importância da coligação. “Esta é a convenção de uma união de partidos. Também é a convenção de um projeto. De toda a diversidade do povo gaúcho”, explicou. “Quem não percebeu que o Rio Grande do Sul é uma família segue provocando a divergência mais que a convergência, a discórdia mais que a concórdia, a desagregação mais que a agregação”, complementou.

Ao lado do governador, Cairoli disse que está orgulhoso de estar mais uma vez com Sartori para dar continuidade ao projeto de desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Sul. “Precisamos construir um Estado voltado para as pessoas e não dominado pelas corporações. Um Estado grande socialmente e pequeno na burocracia”, enfatizou.

Estado sustentável

Durante o discurso, Sartori disse que não faria um relatório da sua gestão, mas que era fundamental destacar a redução do déficit de R$ 25,5 bilhões para R$ 8 bilhões; a renegociação dos juros da dívida com a União de 6% para 4%, dando um fôlego de R$ 6,8 bilhões para o Estado só em 2016; a redução do estoque da dívida em mais de R$ 22 bilhões; e a economia de R$ 1 bilhão por ano em Cargos de Confiança, diárias, consultorias, carros, entre outros.

“Pegamos um Estado falido. Hoje, estamos construindo um Estado sustentável, que se abre para as parcerias, que recebe bem investidores e prepara o futuro para as próximas gerações”, salientou.

Sartori lembrou que o RS foi pioneiro na criação da primeira Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual do Brasil, com regras e normas que aprimoram a gestão financeira e levam à estabilização das contas públicas. Falou sobre a aprovação da Lei da Previdência Complementar, que foi um avanço para o equilíbrio financeiro da previdência estadual em longo prazo e vai garantir aos novos servidores que não faltem recursos na hora da aposentadoria. E também destacou que o governo do Estado tentou aprovar na Assembleia Legislativa uma proposta de redução de 12,5% nos repasses aos poderes Legislativo e Judiciário (a Lei do Duodécimo), o que seria uma forma de enfrentar a crise financeira e um alívio aos cofres públicos.

“Assumismos um Estado que fazia de tudo um pouco e que agora está se voltando para o que é prioridade: Saúde, Segurança, Educação, Infraestrutura e Proteção Social”, afirmou. Sartori ainda recordou que os desafios foram muitos, mas que “não há mudança sem desconforto, sem enfrentamento dos interesses individuais”.

RS no rumo certo

Saudando a coligação O Rio Grande no Rumo Certo (MDB • PSD • PSB • PR • PSC • PATRI • PRP • PMN • PTC), Sartori garantiu que é possível criar uma solução viável e concreta para tirar o Estado da crise: “Vamos fazer mais mudanças, estimular o crescimento e fazer a travessia para um Estado sustentável”.

Para alcançar esse objetivo, Sartori salientou que ainda é necessário aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF); privatizar ou federalizar estatais para focar esforços e recursos no que é essencial para a população; e, durante os três anos de suspensão do pagamento da dívida com a União, prorrogáveis por mais três, tornar o RS “um Estado sustentável, eficiente, moderno e atrativo para novas empresas”.


 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas