Publicidade

Economia

Erechim estagnada na geração de empregos em agosto

Destaque positivo para a indústria e negativo para a construção civil

Na construção civil foram fechados 29 postos de trabalho
Por Rodrigo Finardi
Foto Leandro Finardi

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão vinculado ao Ministério do Trabalho divulgou os números relativos ao mês de agosto com carteiras assinadas no país. E Erechim teve um saldo positivo de cinco novas vagas criadas entre todos os setores da economia. A indústria e o comércio mais contrataram que demitiram e a construção civil e os serviços registraram número negativos.

Em agosto Erechim registrou 1.359 contratações e 1.354 desligamentos, praticamente crescimento zero. Mas no ano de 2018, registra 1.222 postos de trabalho criados com 10.440 admissões e 9.228 demissões.  

A indústria teve o segundo melhor desempenho dos setores da economia pesquisados com criação de 16 novas vagas (356 contratações e 340 demissões).

Os melhores índices em agosto foram registrados pelo comércio com 410 admissões e 383 desligamentos. Saldo positivo de 27 novas vagas.

O setor de serviços praticamente estagnado. Foram 377 contratações e 378 demissões (saldo de uma vaga negativa).

Já a construção civil foi quem teve os piores números em agosto, com 29 postos de trabalho fechados. Contratou 238 profissionais, mas demitiu 238.

Outros segmentos, que registram menor impacto na economia como extrativa mineral, serviço industrial de utilidade pública, administração pública e agropecuária, juntas contrataram sete trabalhadores e demitiram 15 em agosto.

Nos oito primeiros meses do ano, os quatro principais segmentos da economia registram números positivos. Em primeiro aparece a indústria com 592 novas vagas criadas, Em segundo lugar os serviços que abriu 396 postos de trabalho. O comércio vem em terceiro com 189 novas contratações. E a construção civil está em último, mesmo assim, está no positivo com 34 vaga criadas com carteira assinada.   

Desde 2014 com a crise que o país enfrenta, Erechim fechou mais de seis mil postos de trabalho.

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas