Publicidade

Política

Bolsonaro e Haddad vão para segundo turno

Os dois candidatos somaram mais de 75% dos votos válidos no primeiro turno

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro
Por Da redação - jornalismo@jornalbomdia.com.br
Foto Divulgação

Com 99,81% das urnas apuradas até às 23h deste domingo (7), foi confirmado o segundo turno à presidência da República, entre os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Bolsonaro tinha 46,04% dos votos válidos. Fernando Haddad (PT) tinha com 29,21%. Os dois voltam a se enfrentar no dia 28 de outubro.

Em terceiro lugar estava Ciro Gomes (PDT), com 12,48%, seguido por Geraldo Alckmin (PSDB), com 4,76% e João Amoedo (Novo), com 2,51%. Os votos em branco somaram 2,67% e os nulos, 6,11%. Até aquele momento, a abstenção registrada era de 20,33%.

 

Bolsonaro

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, questionou os resultados do 1º turno das eleições 2018 na noite deste domingo, 7. Em uma transmissão ao vivo feita por sua página oficial no Facebook, ele disse que "se tivéssemos confiança no voto eletrônico, já teríamos o voto do futuro Presidente da República decidido no dia de hoje".

Ao lado do economista Paulo Guedes e de uma intérprete de libras, Bolsonaro disse que vai exigir soluções junto ao Tribunal Superior Eleitoral. "Não podemos esmorecer", disse ainda o candidato.

As frases do candidato foram vagas e não fizeram menção a um problema específico. O pronunciamento de Bolsonaro durou nove minutos e treze segundos. No discurso, o candidato do PSL reafirmou diversas bandeiras de sua campanha, como a redução de ministérios - "serão 15", disse - e de empresas estatais. "Teremos pelo menos 50 estatais a menos, privatizando ou extinguindo", afirmou.

Também falou sobre segurança pública e fez um aceno às mulheres, eleitorado que foi considerado seu ponto fraco durante boa parte da campanha. "Vamos trazer a paz para as mulheres, para as mães quando seus filhos vão para a faculdade ou para um evento social Vamos jogar pesado em cima disso."

 

Haddad

No primeiro pronunciamento após a confirmação da disputa de segundo turno na corrida presidencial, o candidato Fernando Haddad (PT) afirmou haver "muita coisa em jogo" no pleito deste ano e sinalizou a busca de apoio nas próximas três semanas de campanha.

"Esta eleição coloca muita coisa em jogo. O próprio pacto da Constituinte de 1988 está em jogo em função das ameaças que sofre quase diariamente", afirmou. A declaração foi dada em um hotel no bairro do Paraíso, em São Paulo, na presença de dezenas de apoiadores, correligionários e aliados, incluindo a candidata a vice-presidente na chapa, Manuela d'Ávila (PCdoB) e integrantes do PROS, o outro partido que compõe a coligação.

O petista afirmou já ter conversado por telefone com Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Marina Silva (Rede). "Tenho muita consideração por todos e a ideia é manter o diálogo aberto", disse. Segundo a assessoria do candidato, Haddad trocou telefonemas de cumprimentos com os três adversários, mas ainda não foi definida uma agenda de conversas para viabilizar o apoio deles no segundo turno.

Em seus discurso, Fernando Haddad disse ainda que pretende "unir os democratas do Brasil" em torno de um projeto que tenha como prioridade o combate as desigualdades sociais do país e a defesa da soberania nacional e popular. Ele falou ainda que o segundo turno abre oportunidade para discutir "frente à frente e olho no olho". (Com informações da Agência Brasil e Estadão Conteúdo).

Publicidade

Blog dos Colunistas