Publicidade

Economia

Comércio de Erechim já chama atenção do consumidor para o Black Friday

Lojistas tem opção de estender horário de atendimento na próxima sexta-feira

Promoção já pode ser vista pelos consumdiores
Juvane ressalta expectativa positiva para vendas da sexta-feira
Por Edson Castro
Foto Edson Castro

A Black Friday já chama atenção dos consumidores de Erechim. Diversos lojistas já estão ser preparando para a data, marcada para a próxima sexta-feira (23), numa proposta de disponibilizar super promoções ao consumidor, no que seria a última data promocional antes do Natal.

A gerente da loja Magazine Luiza, Juvane Casagranda, salienta que a expectativa é de boas vendas para a próxima sexta-feira. “Já estamos preparando a loja para a data. Desde esta terça já temos algumas ações que buscam chamar a atenção de quem passa pela loja e a partir de quinta-feira já começaremos a ter algumas promoções, que se ampliam, na sexta e seguem até o sábado”, salienta.

A loja que ela gerencia será uma das que vão aproveitar a possibilidade de estender o horário na sexta-feira, até 21h. “No nosso caso vamos atender até às 21h, inclusive sem fechar ao meio dia”, amplia a gerente.

Juvane também acredita que as vendas na Black Friday devem crescer novamente neste ano. Segundo estimativa da E-bit, empresa que divulga dados sobre o comércio eletrônico no país, a alta deve chegar a 15% em relação a 2017. “Imaginamos que o crescimento seja neste mesmo patamar”, pondera Juvane. “O crescimento das vendas acompanha a consolidação da data e a ligeira melhora do cenário econômico nacional”, amplia Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS.

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Erechim (CDL), ressalta também, que segue na Black Friday, a campanha de prêmios do Centenário, que terá entre outros atrativos, o sorteio de mais um carro zero quilômetro. Esta promoção, é bom lembrar, vale para as lojas participantes e cadastradas na campanha da CDL.

 

A Black Friday

Os produtos mais visados pelos consumidores nesta data do comércio são os eletrônicos, com 39% da intenção de compra, seguidos de eletrodomésticos (33%), artigos de telefonia e celular (25%), informática (24%), moda (19%) e cosméticos (18%). Para Luiz Carlos Bohn, os descontos oportunizam a aquisição de itens que exigem algum tipo de planejamento prévio, normalmente para consumo próprio.

Para não comprometer o orçamento, a Fecomércio-RS orienta que as compras sejam pautadas pela necessidade e oportunidades de desconto. Adquirir itens simplesmente pelo preço baixo muitas vezes pode se tornar um problema no momento em que limita o consumo de produtos realmente necessários no futuro. O uso do 13º ou de qualquer outra renda deve ser utilizado priorizando sempre o pagamento de dívidas em atraso.

Alguns passos simples para aproveitar a Black Friday são conhecer o orçamento e a disponibilidade para gastar; fazer uma lista das necessidades, enumerando as prioridades; pesquisar preços previamente para verificar a atratividade dos descontos; e pesquisar a reputação das lojas antes de fechar a compra.

Para Túlio Saraval, sócio diretor da Sorocred, empresa de cartões de crédito, o aumento no faturamento e nas vendas também se deve, em parte, à recuperação da confiança do consumidor. "O cliente precisa estar confiante de que não vai perder seu emprego, que sua situação está estabilizada ou melhorando. Em outubro, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas avançou 4,0 pontos, o que aponta que o consumidor está mais confiante e esperançoso quanto aos próximos meses. Isso tem um impacto direto nas vendas", afirma Saraval.

Mais dados

Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que seis em cada dez (58%) consumidores têm a intenção de fazer compras na Black Friday, um expressivo aumento de 18 pontos percentuais em relação ao ano passado. Por outro lado, 32% só devem ir às compras caso encontrem boas ofertas e apenas 10% não pretendem comprar nada.

Entre os que pretendem comprar produtos de olho nos descontos, 70% consideram a data uma oportunidade de adquirir itens que estejam precisando com preços mais baixos. Cerca de 30% querem antecipar os presentes de Natal de olho nas promoções, enquanto 12% planejam aproveitar as ofertas mesmo sem ter necessidade de comprar algo no momento. Já entre os que não pretendem fazer compras na Black Friday, os principais motivos apontados são falta de dinheiro (28%) e o fato de não precisar comprar nada (22%).

Ao chegar em sua nona edição, a Black Friday se consolida como uma das principais datas para o varejo. Outro levantamento feito em todas as capitais pela CNDL e pelo SPC Brasil, revela que 11% das empresas pretendem aderir a Black Friday — percentual que sobe para 16% no setor de comércio. Desse total, 77% enxergam uma oportunidade para aumentar suas vendas e 19% em girar produtos em estoque. (Com informações da CNDL, SPC Brasil e Estadão Conteúdo).

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas