Publicidade

Cultura

Pedro, o escritor

Aos seis anos de idade o erechinense, que hoje mora em Florianópolis, reuniu algumas "observações" do cotidiano e teve sua obra publicada

Pedro
Por Salus Loch
Foto Divulgação

A 20ª Feira do Livro de Erechim encerrou no domingo (2). Durante os dias de atividades, desfliaram pelo evento obras com diferentes estilos de linguagem, perfis e propósitos narrativos. Entre elas, destacou-se um livro escrito a 520 km daqui, em Florianópolis/SC. De autoria do erechinense Pedro Beltrame Trentin, o livro chama-se 'As histórias de Pedro', um garoto de sete anos recém completados, que iniciou o processo de escrita aos cinco.

Entre os coleguinhas, a façanha o transformou em Pedro, o escritor. Em entrevista ao Bom Dia, a mãe do garoto, contadora Rosangela Beltrame Trentin, revela que o filho é apaixonado por livros desde bebê. "Ele nunca dormiu sem ouvir uma história", conta. O gosto pela leitura - em especial Monteiro Lobato - logo abriu portas para que a imaginação fértil e a sensibilidade de Pedro se manifestassem.
Inspirado em uma de suas personagens favoritas, a intrépida corujinha que tinha o sonho de contar para o mundo as coisas que ela pensava, Pedro pôs no papel observações sobre o cotidiano, legando aos
leitores pérolas ricas em ternura e pureza, características do coração de uma criança.

'Ele começou a escrever aos cinco anos, tendo concluído o livro aos seis. Disse que queria ter seu nome imortalizado na literatura, como Monteiro Lobato', observa a mãe que, ao lado do pai, o engenheiro civil Jeferson Girardello Trentin, sempre apoiou o prodigioso filho.

Viajado
Nascido em Erechim em novembro de 2011, Pedro já morou em cinco Estados (fruto dos compromissos profissionais dos pais): Rondônia, Rio Grande do Sul, Pará, Maranhão e Santa Catarina. Sua vida escolar, contudo, teve início na Escola Pedacinho do Céu, em Erechim. Atualmente, está concluindo o Ensino Fundamental na capital de SC. 

Embora seja apaixonada por escrever, Pedro também é fã de jogos cognitivos, praia e viagens. Sonha em conhecer a Nasa e não descarta se tornar cirurgião plástico para 'deixar as pessoas sempre
lindas e felizes'. Pedro tem um irmão menor, Davi, de três anos.

Processo de escrita
O livro foi redigido com o 'kit escritor' de Pedro: pasta, papel colorido, canetas, lápis especiais e giz pastéis. Todos os dias, no retorno da escola, soletrava três palavrinhas a fim de aprender o
som das letras. 'Ele sempre teve muita imaginação e interesse em participar do nosso cotidiano. Fala, argumenta, questiona e se integra às rotinas. Volta e meia, após largar tiradas inusitadas,
ele anunciava: isso pode ir para o livro'', diz Rosangela, orgulhosa. 

Tiradas de Pedro
Entre as pérolas do pequeno escritor - contadas e ilustradas no livro - estão: 

"Quando você movimenta seu
corpo ele fica ginasticado e feliz"

"Quando eu escrevo muito
minha mão fica cansada
de tanto lapisar"

"Você sabia que a nossa pele é
uma capinha que deixa nossos
ossinhos protegidos e nosso
corpinho mais bonito e especial?"

Como ler e não amar?

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas