0°C
Erechim,RS
Previsão completa

Publicidade

Política

Decreto das armas: “a luta tem de persistir”

Jorge Lisbôa Goelzer: “O direito à legítima defesa é sagrado”
Por Rodrigo Finardi
Foto Divulgação

 O advogado Jorge Lisbôa Goelzer a despeito da revogação do decreto das armas, acredita que a luta tem de persistir: “o decreto das armas, editado pelo Executivo, não fere princípios religiosos nem partidários. Regulamenta dispositivos da Lei 10826/2003 (armas), facultando a quem, atendendo requisitos expressos (sérios), deseje ter arma de fogo. Afirmar que a segurança missão do Estado é dizer o óbvio, ignorando o crescimento da bandidagem e a impossibilidade absoluta, sobretudo, de na frente de cada casa a presença de um abnegado e sofrido policial! O direito à legítima defesa é sagrado. Os 47 senadores que votaram pela anulação do decreto, quando poderiam apresentar projeto alterando a legislação vigente, optaram por negar o exercício da legítima defesa. Certamente já abriram mão de andar armados e orientaram aos seus seguranças, é o mínimo, para idêntico procedimento”.

Publicidade

Blog dos Colunistas