22°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,34 Dólar R$ 5,33
0°C
Erechim,RS
Previsão completa
Euro R$ 6,34 Dólar R$ 5,33

Publicidade

País

Bolsonaro: ‘A PF de Sérgio Moro se preocupou mais com o caso Marielle do que comigo’

Presidente também sugeriu que o ex-ministro pensa mais em seu ego do que no país

"Eu não preciso pedir autorização para trocar ninguém".
Por Salus Loch
Foto Reprodução TV Brasil

No final da tarde desta sexta-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro apelou à emoção para contrapor as acusações feitas mais cedo pelo, agora, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Durante o discurso em que comunicou sua demissão na manhã de ontem, Moro, entre outras coisas, sugeriu que o presidente queria intervir na Polícia Federal e suas investigações.
Ladeado pelo vice-presidente, ministros - com os militares em posição de destaque -, além de um dos filhos, o presidente disparou contra o ex-juiz, dizendo que ele teria condicionado a troca no comando da Polícia Federal (o estopim para a demissão de Moro) a uma indicação para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). 
Bolsonaro também reclamou que a Polícia Federal teria se preocupado mais com o caso Marielle (vereadora do RJ assassinada) do que com a tentativa de assassinato que o presidente teria sofrido durante a campanha. 

A seguir, algumas das frases de Bolsonaro durante a manifestação: 
"Mais de uma vez, o senhor Sérgio Moro disse para mim: Você pode trocar o Valeixo sim, mas em novembro, depois que você me indicar para o Supremo Tribunal Federal. É desmoralizante para um presidente ouvir isso. Mais, ainda, externalizar”. 
"Eu não preciso pedir autorização para trocar ninguém".
Jair Bolsonaro também negou a principal acusação feita pelo ex-ministro da Justiça (a de que ele tem a intenção de interferir na condução das investigações feitas pela PF): "Tenho que ter um relatório do que aconteceu nas últimas 24 horas, nunca pedi o andamento de qualquer processo".
O discurso de Bolsonaro ainda teve como foco a narrativa de que Moro seria uma "pessoa que tem um compromisso consigo próprio, com o ego e não com o Brasil". 
“Estou lutando contra o sistema”.
Buscando dar um exemplo de sua austeridade, o chefe do executivo ainda garantiu ter ‘desligado o aquecedor da piscina olímpica da Alvorada”.
 

Leia também

Publicidade

Blog dos Colunistas